Artigo publicado: Political Protest, Ethnic Media, and Latino Naturalization

Título: Political Protest, Ethnic Media, and Latino Naturalization

Autores: Adrián Félix, Carmen González, and Ricardo Ramírez

Periódico: American Behavioral Scientist 2008;52 618-634

Resumo: clique aqui para obter

Femininismo, mídia e música

Contribuição: Thiago Falcão

Não é incomum encontrar imagens estereotipadas espalhadas por toda a produção midiática – e de fato, certos teóricos encaixam os meios de comunicação de massa no mesmo eixo que pais, amigos e professores como principais responsáveis senão pela aquisição, ao menos pela mudança dessas idéias pré-fabricadas.
No campo da música os exemplos são vastos – mas escolhemos três exemplos distintos de discursos associados à idéia do feminismo pra ilustrar este post: se os dois primeiros se baseiam fortemente na idéia da defesa do feminismo, o terceiro não vai muito por esta via – e vale a pena perceber que nos três exemplos são mulheres que cantam.


Hanin Elias, membro-fundador da famosa banda alemã anarco-ativista Atari Teenage Riot fundou seu selo Fatal Recordings para servir de plataforma para idéias feministas, lançando unicamente mulheres cantando música de cunho politizado.
Hanin, com seu estilo e idéias, viria a influenciar duas garotas de Liverpool que além de compartilhar a idolatria da produtora por guitarras distorcidas e sintetizadores, compartilhavam também suas idéias.

Assim surgia o Robots in Disguise, abrindo seu primeiro álbum, auto-intitulado, com a faixa “Girl”, clamando por respeito no próprio modo como os homens se referem a mulheres. Os lyrics da faixa dão uma idéia de qual o conteúdo do estereótipo impresso às mulheres:

Robots in Disguise

Girl

You like to throw up words
Speak to us s’if we got germs
And label us with junior terms
I’m a dog I’m a pig I’m a cow I’m a bird (Tweet Tweet)
Your tongue twists and scars
I need these tags like stabs in the heart
Names for my sex – Oh Blah Blah Blah
I’m a slag I’m a slut I’m a tramp I’m a tart
It’s not a dirty word
It’s not a dirty word
C’mon use it dream it choose t own it sign it scream it
G-I-R-L – GIRL!!
We’re a double X and proud of it
So vexed -Shan’t mind our language
With the F word – F for feminist
I’m a doll I’m a witch I’m a peach I’m a bitch
Hands up ‘f u wanna be in our gang
Cos ladies need a modern vocab
and for starters snatch the old school slang
I’m a twat I’m a bag I’m a cunt I’m a shag

Nem tudo, contanto, no mundo das mulheres e da música, é política. Nellie Mckay, comediante, atriz (recentemente Ciara, no filme PS. I Love You) e cantora, abre seu álbum Obligatory Villagers, com um tom de desafio às feministas – sugerindo que, na verdade, elas precisam de homens, não de idéias:

Nellie McKay

Mother Of Pearl

Feminists don’t have a sense of humor
Feminists just want to be alone (boo-hoo)
Feminists spread vicious lies and rumor
They have a tumor on their funny bone

They say child molestation isn’t funny
Rape and degradation’s just a crime (lighten up, ladies)
Rampant prostitution, sex for money (what’s wrong with that)
Can’t these chicks do anything but whine

Dance break
Woo-hoo
(Take it off)

They say cheap objectification isn’t witty, it’s hot
Equal work and wages worth the fight (sing us a new one)
On demand abortion, every city (okay, but no gun control)
Won’t these women ever get a life

Feminists don’t have a sense of humor (poor Hilary)
Feminists and vegetarians
Feminists spread vicious lies and rumor
They’re far too sensitive to ever be a ham
That’s why these feminists just need to find a man

I’m Dennis Kucinich, and I approve this message

Artigo publicado: Contested Masculinities

Título: Contested Masculinities: The New Jew and the Construction of Black and Palestinian Athletes in Israeli Media

Autor: Eran Shor

Periódico: Journal of Sport and Social Issues, 32, 255-277, 2008

Resumo: clique aqui para obter

Notícia do dia: o domínio televisivo permanece

Matéria publicada pelo website BizCommunity, da África do Sul, relata os resultados de uma pesquisa conduzidas em três continentes na qual se relata os hábitos de jovens frente à mídia. Clique aqui para ler a reportagem

Notícia do dia: estereótipos, cultura de massa e verdade

Matéria publicada no website Hardnews, de Nova Delhi, discute o imapcto da mídia na expressão dos estereótipos e como isto interfere na maneira pela qual as pessoas definem alguns argumentos como verdeiros ou falsos. Clique aqui para ler o conteúdo do artigo

Biblioteca: inclusão de artigo

Acrescentado à biblioteca o artigo Imagens e estereótipos do Brasil em reportagens de correspondentes internacionais, de Ivan Paganotti

Artigo publicado: Technologies of Self, and the Media

Artigo publicado: Technologies of Self, and the Media

Título: Foucault, Technologies of Self, and the Media: Discourses of Femininity in Snowboarding Culture

Autores:Holly Thorpe

Periódico: Journal of Sport and Social Issues, 32, 199-299, 2008

Resumo: clique aqui para obter

Artigo publicado: The Role of Exposure to Media Violence

Título: The Role of Exposure to Media Violence in the Etiology of Violent Behavior: A Criminologist Weighs In

Autores: Joanne Savage

Periódico: American Behavioral Scientist,51, 1123-1136, 2008

Resumo: clique aqui para obter

Notícia do dia: Novas lentes, novos olhares

Matéria publicado no website Middle East Online denuncia como os meios de comunicação de massa norte-americanos insistem em representar de forma estereotipada árabes e islamitas. Clique aqui para ler a matéria