Resenha: As diferenças entre os sexos: Mito ou realidade?

Thamires Wanke

O presente artigo de Gabrielle Poeschl, Cláudia Múrias e Raquel Ribeiro, publicado em 2003, que visa questionar-se acerca dos papéis sociais de homens e mulheres baseados numa suposta matriz biológica, é todo tecido em cima dos resultados de pesquisas científicas em que se exerce o diálogo entre possíveis contradições; contra argumentos e demais percepções sobre diferenciação sexual.
Como dito no texto, as teorias sexistas propagadas durante e após a Revolução Industrial que tentavam justificar as posições sociais dos sexos, e consequentemente, o Status Quo da mulher, em uma condição inferior e degradante, foram e são abertamente apoiadas assim como, continuam a disseminar-se.
A nova roupagem das hipóteses que tentam provar uma diferenciação sexual, atualmente valorizadas por muitos neurocientistas, afirmam que em função das diferenças cerebrais entre homens e mulheres, estes comportam-se de forma diferenciada, ou seja, deixa-se aquém o processo de aprendizagem social que cada indivíduo inserido numa dada cultura sofre.
Na segunda metade do século XIX inúmeras teorias destacaram-se pela busca da natureza de homens e mulheres, falando aqui especificamente da craniometria. A constatação das diferenças entre tamanho do cérebro e o desenvolvimento de determinadas áreas cerebrais a pertença sexual tornou-se uma constatação importante da fisiologia para a crença das mulheres instintivas e dos homens de racionalidade.
Atrelado a isso estudo Americano publicado pela revista Nature assume que um bom desempenho em testes de QI está ligado a quantidade de massa cinzenta que a pessoa tem no cérebro. Visto que mulheres possuem mais massa branca e homens maior quantidade de massa cinzenta a constatação corrobora com a hipótese de que as mulheres apresentam-se como dominadas pelos instintos e as emoções, manifestações inibidas nos homens pela sua inteligência superior (Shields, 1986).
Alain Giami (2007) atenta ainda para o crescente patrocínio farmacológico neste tipo de pesquisa que por fim gera produtos novos que dizem “solucionar” problemas relacionados por exemplo a funções sexuais.
“Essas pesquisas parecem reforçar as representações tradicionais e mais que centenárias da sexualidade masculina e feminina, também embasadas nas dicotomias opostas da natureza biológica da sexualidade masculina e da natureza espiritual da sexualidade feminina.” (GIAMI 2007)
As discussões propostas no artigo também são retratadas no livro de Elisabeth Badinter Um é o Outro. A autora tenta desmistificar os tabus sexuais e propor uma nova forma de se pensar os gêneros. Afirma que apesar da divisão sexual do trabalho sempre persistir, muitos antropólogos e historiados argumentam que no início do processo evolutivo tanto homens quanto mulheres estavam aptos a realizar as mesmas tarefas, porém o advento do bipedismo fez com que a prole dificultasse a locomoção feminina, visto que os bebês tiveram que nascer mais prematuros em função do estreitamento da bacia, o que levou ao maior cuidado com as crianças além da impossibilidade de serem carregados nas costas.
Essa condição evolutiva acabou por “impossibilitar” as mulheres a caça, porém estas cultivavam, e ao contrário do que o senso comum atesta, os legumes e vegetais eram extremamente importantes à alimentação bem como a carne; e as aquisições comportamentais derivadas das diferentes tarefas foram sendo adquiridos por ambos os sexos, apenas com algumas diferenciações. Em que através da caça na savana os homens desenvolviam a atenção, a tenacidade e a astúcia Edgar Morin (1973) e as mulheres que por não possuir as características físicas dos machos tinham de coletar eficaz e rapidamente estimulando suas percepções de perigo por exemplo, Adrienne Zilhman (1970).
Além disso, com advento da agricultura, as mulheres ganharam notoriedade por serem a principal fornecedora de alimento em épocas de seca ou enchentes.
Essa constatação por sua vez, enfraquece a idéia de que a evolução segregou os homens das mulheres. Na arte pré histórica por exemplo, percebe-se uma valorização de ambos, tanto na figura da deusa mãe (que tinha o poder de dar e tirar a vida), quanto na imagem do homem caçador (aquele que se arriscava perante as feras, trazendo carne ao grupo).
Voltando ao artigo, as autoras irão destacar uma série de pesquisadores que em confronto debatem sobre se as diferenças morfológicas entre os sexos explicam, as diferenças de aptidões, temperamento, inteligência, etc. Em linhas gerais o que se percebe é: Primeiramente que os resultados encontrados numa busca pela diferenciação sexual descrevem respostas muito pouco discrepantes ou mesmo iguais, que os cientistas são majoritariamente homens e que os métodos são pouco precisos e/ou contestáveis.
Mostra no texto que com base na hierarquização dos grupos sexuais Termam e Miles (1936) elaboraram o Teste de atitudes e de interesses que permite oferecer uma descrição da mulher típica através de uma série de oposições com o homem típico; pondo em contraste às emoções em detrimento das racionalidades e impossibilitando o tráfego de aptidões entre os gêneros.
Traz Parsons (1956) que analisa às esferas pública e privada, pela associação que o autor estabelece entre os temperamentos masculinos e femininos e os papéis que eles desempenham. “Por outras palavras, as famílias mais eficazes e mais coesivas seriam aquelas em que os homens e as mulheres desempenham, respectivamente, os papéis instrumental e expressivo (cf. Brown, 1988)” (referência do texto pág.3).
“Desligadas da sua origem social, as maneiras de ser dos homens e das mulheres tornam-se um dado psicológico proveniente meramente do seu sexo biológico e permitem justificar as desigualdades de acesso a posições que requerem competências instrumentais ou expressivas” (Lorenzi-Cioldi, 1994).
Desta vez o artigo fala do Questionário de estereótipos de papéis de sexo de 1970 por Rosen- krantz, Vogel, Bee, Broverman e Broverman (1968) que confirma a existência da valorização dos atributos ditos masculinos daqueles femininos, além da crença estereotipada de que os homens são racionais e assertivos e as mulheres calorosas e expressivas.
O texto atenta para como o conteúdo dos estereótipos sexuais interferem na construção simbólica da sociedade e desta forma passa a ser instrumento de discriminação nos gêneros. Traz ainda a androgenia, como sendo aquela que esta além da construção do feminino e masculino flexível as características demarcadas de homem e mulher.
“As estatísticas, os testemunhos e a experiência pessoal de cada um mostram, sem contestação, que homens e mulheres estão modificando profundamente a imagem que fazem de si mesmos e do Outro. Suas respectivas atribuições – por muito temmpo definidas pela “natureza” de cada um dos sexos – são diferenciadas cada vez com mais dificuldade”
(BADINTER, Elisabeth. Um é o outro. 3ªed. RJ: Nova Fronteira, 1986)
Porém o ponto chave do artigo é a discussão acerca do sexo como uma característica biológica. Neste quesito os teóricos se dividem e trazem diversos dados sobre as “diferenças” sexuais, quanto a infidelidade, a agressividade, a conformidade, a linguagem, capacidades cognitivas, ao reconhecimento de emoções (que por sinal vai de encontro a hipótese também evolutiva de Paul Ekman, que diz que independente do sexo, classe social e/ou cultura as pessoas reconhecem as emoções nas expressões faciais igualmente.) etc.
Por fim, as autoras concluem o artigo mostrando que o estereótipo de homens e mulheres não passa de uma possível visão dos papéis sociais e da sociedade; de que as pesquisas científicas não tiverem a capacidade e/ou qualidade de provar que a morfologia cerebral/biologia sozinha explica o comportamento de homens e mulheres.
De que independente de um traço evolutivo, as mulheres necessitam refletir sobre seu papel na sociedade, e valorizarem a sua condição feminina, tendo em vista a sobreposição a uma ordem preconceituosa e estigmatizante.
Muitas mudanças têm acontecido, principalmente nos últimos séculos, e é notável que ainda exista uma definição de papéis. Conceitos engessados sobre as questões de gênero estiveram presentes por muito tempo na história da humanidade, fizeram e ainda fazem parte da ideologia dominante, e discursos religiosos ou biológicos contribuíram para isso. As aracterísticas relacionadas aos gêneros foram se legitimando, e o papel que cada sexo tinha na sociedade começou a ser enxergado como algo dado a priori, e não como uma construção também cultural e modificável.
Logo, é preciso perceber a implicação de se afirmar que existem características instrinsecamente masculinas e femininas, pois é perigosa essa ideia, e pode nos levar à conclusão de que essas diferenças entre os gêneros justificam os lugares diferenciado na sociedade para homens e mulheres.
A visão de homem como sendo bio-psico-social, não pode se firmar enquanto enxergarmos os indíviduos como sendo apenas fruto de uma evolução biológica da espécie, consolidando uma dicotomia que se assegura na sobreposição de Um pelo Outro.

Referências:
BADINTER, Elisabeth. Um é o outro. Editora Nova Fronteira, 3ª Ed.; 1986.
GIAMI, A. Permanência das representações do gênero em sexologia: as inovações científicas e médicas comprometidas pelos estereótipos de gênero. Physis, 2007, 17, 2, 301-320. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/physis/v17n2/v17n2a06.pdf > . Acessado em: 03/03/2013
POESCHL, G.; MÚRIAS, C.; RIBEIRO, R. As diferenças entre os sexos: Mito ou realidade? Análise Psicológica. 2003, 21, 2, 213-228. Disponível em: <http://www.scielo.oces.mctes.pt/p

Resenha: Afeto e desigualdade: gênero, geração e classe de empregadas domésticas e seus empregadores

Tainá Almeida

De acordo com Donna Goldstein (2003), manter uma empregada doméstica é um sinal diacrítico na sociedade brasileira, que sinaliza a distância da pobreza. Porém, é preciso salientar que as relações entre patrões e empregadas da casa se dão de forma diferente no Brasil, pois envolvem uma troca afetiva entre ambas as partes, apesar da manutenção clara da hierarquia que mantém o serviço doméstico.
O artigo de Jurema Brites, “Afeto e desigualdade: gênero, geração e classe de empregadas domésticas e seus empregadores”, analisa através de uma pesquisa etnográfica como essa ambiguidade dos relacionamentos entre patrões e domésticas mantém o nível de distância social entre eles. A análise do presente artigo centrou-se inicialmente no trabalho reprodutivo, que, para a antropóloga Shellee Colen (1995:78) trata-se de um trabalho “físico, mental e emocional necessário para a geração, criação e socialização de crianças, assim como a manutenção de casas [households] e pessoas (da infância até a velhice)”. No contexto observado, babás caribenhas e seus empregadores em Nova York, tem-se que a desvalorização dessas por deixarem seus filhos “abandonados” com parentes ou vizinhos juntamente com a valorização de quem contrata seus trabalhos, fortalece a desigualdade social, política e econômica da relação. No Brasil, associando isso ao contexto de afetividade, vê-se que a relação se dá por um lado, de forma que a empregada doméstica tem o papel de cuidar da casa, dos filhos, dos idosos, da limpeza e dos animais de maneira afetiva, liberando a família para cumprir seus papéis de classe média (pais e mães trabalharem, cuidados com a saúde; filhos estudarem, entrarem em cursos de línguas, etc.). Por outro, há a estratificação da relação no contexto de distância social estabelecida e na procura das domésticas em estabelecer a sobrevivência e promoção de suas próprias famílias.
A relação entre a família que contrata a empregada doméstica e esta encontra-se estabelecida e clara desde a infância. Muitas empregadas acabam se sentindo tão apegadas aos filhos dos patrões quando ao delas mesmas, extrapolando certos limites que seriam os estritamente profissionais. Esse relacionamento acaba sendo recíproco, pois as crianças passam grande parte do dia com as empregadas e com isso estabelecem vínculos, porém, elas já têm conhecimento da divisão e limites da trabalhadora na casa. Essas divisões são passadas pelas falas dos pais ou pela própria organização do ambiente: o quarto da empregada, o banheiro da empregada, o sofá da sala de estar onde ela não pode sentar, entre outros. Uma criança chegou a citar na entrevista que gostaria que a empregada de sua casa ganhasse na Sena, pois assim elas poderiam apenas conversar e ser amigas. Os pais se preocupam em estabelecer esses limiares para que não se perca a relação de patrão/empregado apesar dos laços de afeto, mas algumas outras questões não são levadas em conta por eles na hora da escolha da trabalhadora. Foi registrado que a principal preocupação dos pais trata da educação dos filhos e muitos deles trabalham para mantê-los em boas escolas, bons cursos e boas condições de educação, mas quase nenhum considera a sua própria empregada doméstica como alguém que passa conhecimento ou instrução para seus filhos. No contexto brasileiro, embora reclamassem quase sempre sobre a qualidade da limpeza, quase não foram registradas queixas dos patrões sobre o que uma empregada de baixo nível de escolaridade poderia estar passando de informação para seus filhos.
A respeito das relações sexuais entre empregadores e empregadas, assunto tão comentado em obras literárias e no cotidiano popular, nada foi muito citado. A pesquisadora acredita que a divisão de classes no universo vivido pela classe média ainda é muito marcado e portanto, a empregada não é vista tanto como símbolo sexual pela diferença de nível social presente. Porém, podemos ver até hoje em novelas e no dia-a-dia da televisão brasileira, relatos a respeito de casos entre patrões e empregadas.
Portanto, as ideias centrais nesse artigo giram em torno de como as crianças são moldadas ao longo da infância para que possam ter relações de afeto com as empregadas domésticas, porém saibam que existe uma divisão estratificada e uma distância entre as condições sociais. Tornam-se, portanto, futuras patroas e patrões com os mesmos hábitos dos pais e repassam isso num ciclo sem fim. Com certeza deve haver em algum momento uma separação entre o trabalho realizado pela doméstica e sua relação de afetividade com a família, afinal, existe um vínculo empregatício envolvido. Porém, não se deve pensar nessa separação como algo engessado, baseado nos moldes dos níveis sociais, naturalizando assim a desigualdade que começa dentro das casas e se expande para o mundo exterior.

Referência: Brites, J. Afeto e desigualdade: gênero, geração e classe entre empregadas domésticas e seus empregadores. Cadernos Pagu, 29, 91-109, 2007.

Resenha: permanência das Representações do Gênero em Sexologia

Narena de Alencar Moreira

O objetivo do artigo foi questionar a adoção de estereótipos de gênero pela sexologia, sendo que esta tem mostrado em suas pesquisas uma função sexual masculina, puramente biológica e fisiológica, indiferente aos aspectos relacionais, emocionais e contextuais, enquanto a função sexual feminina seria exclusivamente emocional e psicológica, ignorando-se os fatores biológicos, sendo os desejos sexuais “naturais” no homem e inexistentes na mulher.
No artigo o autor aponta que pesquisas têm sido feitas seguindo uma abordagem organicista, o que representa um avanço na área. Contudo, essas pesquisas ainda não atribuem a mesma importância para a função sexual do homem e da mulher. Mesmo que baseadas em fatores biológicos, essas pesquisas ainda parecem seguir estereótipos de gênero, bem difundidos no senso comum.
A questão é intensificada quando estes estereótipos de gênero ultrapassam as barreiras do senso comum e passam a interferir nas práticas científicas. Assim, a ciência iria ao encontro do senso comum, através das pesquisas realizadas, ao invés de questionar estes valores. Vemos o velho disfarçado de novo. As velhas concepções sobre a sexualidade disfarçada de novas descobertas científicas.
A análise traçada pelo autor resgata o contexto histórico dessa ciência da sexualidade a partir do final do século XIX, ilustrando como desde então os debates em torno do tema caracterizam a sexualidade do homem como simples, urgente e constante, além de centrada na genitália, enquanto a sexualidade da mulher seria complexa, problemática, intermitente, difusa no que diz respeito ao corpo e assim não necessariamente relacionada ao orgasmo. O modelo predominante se baseia em uma dominação do homem e submissão da mulher, adotando apenas em sua definição uma relação heterossexual. A partir dos anos 1970 são formuladas as primeiras críticas a esse modelo, contudo essa concepção vigora mesmo nos dias de hoje.
Além do reducionismo criticado pelo autor, que prioriza alguns aspectos em detrimento de outros, outro ponto é problematizado, a medicalização da sexualidade. “Atualmente, a sexologia cede lugar a uma ‘medicina sexual’, que visa a se constituir como especialidade médica dos transtornos da função sexual” (Giami, 2007). Deste modo, a sexualidade é reduzida a transtornos a serem medicados, excluindo-se a função sexual normal e os fatores que extrapolam a área da biologia. O termo sexualidade, que implica também em uma abordagem psicológica, dá lugar ao termo “saúde sexual” ou “função sexual”. “Não é mais o aspecto comportamental nem psicológico que constitui o objeto de interesse científico, mas a função somática dos órgãos genitais em sua dimensão biofisiológica” (Giami, 2007).
Seguindo-se o desenvolvimento da chamada medicina sexual, é possível notar que as pesquisas sobre disfunções da sexualidade masculina são maioria. Como o autor aponta, “os trabalhos fundamentais relativos à função sexual masculina, notadamente a ereção, foram muito mais desenvolvidos após o início dos anos 80 que aqueles sobre a função sexual feminina (sobre os transtornos do desejo e da excitação)” (Giami, 2004 apud Giami, 2007). De maneira similar, os instrumentos de avaliação destes transtornos são bem diferentes, segundo o gênero. Enquanto na avaliação de transtornos relacionados à sexualidade feminina são inseridas questões sobre fatores psicológicos e subjetivos, na avaliação da sexualidade masculina esses fatores são desprezados, atendo-se apenas a um funcionamento corporal mecânico.
Perante as críticas feitas pelo autor, faz necessário ressaltar a importância da reavaliação dos valores que têm sido transmitidos não só pelo senso comum, mas também pela ciência, que além de aprisionar a mulher em um conceito de sexualidade ultrapassado e limitado, também dificulta o estudo da sexualidade masculina, que certamente está além dos fatores biológicos. Sendo a vivência humana complexa e multifatorial, há de ser também complexa também a experiência sexual, para homens e mulheres, levando-se em consideração seus variados aspectos.

Referência: Giami, A. (2007). Permanência das representações do gênero em sexologia: as inovações científicas e médicas comprometidas pelos estereótipos de gênero. Revista Saúde Coletiva, 17(2), 301-320

Resenha: diferenças e igualdades nas relações de gênero

Renata Bárbara da Silva

O artigo traz uma discussão acerca da questão da diferença e da igualdade nas relações de gênero e a influência do movimento feminista, discorre sobre a crise da masculinidade e de mudanças socioculturais sobre essa temática. Inicialmente, a autora se respalda nas concepções da historiadora estadunidense Joan Scott para analisar o conceito de gênero e sua aplicabilidade enquanto categoria analítica. O termo “gênero”, no sentido gramatical, designa indivíduos de sexos diferentes, masculino/feminino. Para a literatura feminista, no entanto, gênero é um construto sociocultural, diferentemente do conceito de sexo, que se refere a diferenças biológicas. Segundo Scott (1995, apud ARAÚJO), “gênero” é utilizado para designar as relações sociais entre os sexos e rejeitar de forma radical explicações biológicas que deixam implícitas diversas formas de subordinação feminina.
“Gênero é um elemento constitutivo das relações sociais fundadas sobre as diferenças percebidas entre os sexos e também um modo primordial de dar significado às relações de poder” (SCOTT, 1995, apud ARÁUJO). Nesse sentido, gênero seria a primeira forma de articular o poder.
A utilização desse conceito enquanto categoria analítica incide em visões antagônicas entre diversos autores, principalmente no que se refere ao estatuto cognitivo do conceito. A autora , no entanto, defende o uso do conceito de gênero como categoria de análise, apoiando-se em Scott (1995), Tilly (1994) e Saffiotti (1997), que fazem crítica ao caráter descritivo dos estudos sobre a história da mulher. Concebe gênero como uma categoria empírica e histórica, portanto, empreende valor de categoria analítica. Emergente de uma realidade empírica, o conceito de gênero, expressa as relações históricas e as formas de existência da realidade social.
De acordo ao artigo, o conceito de gênero pode ser ademais empregado em uma categoria política, que permite a análise da questão da igualdade e da diferença, apontando para uma nova perspectiva de interpretação e transformação da realidade social. A autora aponta três perspectivas principais sob as quais o debate acerca da diferença entre os sexos se desenvolveu: a essencialista, na qual há uma exaltação da “diferença sexual”, psicologizando e biologizando as constatações sociológicas e culturais historicamente produzidas; o discurso culturalista, onde as diferenças sexuais provêm da socialização e da cultura; e por último, a perspectiva da feminista Françoise Collin (1992), na qual propõe um dialogo contínuo, que incorpora a igualdade e as diferenças sem negá-las, num constante jogo dialético em que a pluralidade e o diálogo são os princípios fundamentais. Esses argumentos são reforçados pelas propostas desconstrutivistas de Scott (1995) da oposição igualdade/diferença. Para ela, com a desconstrução dessa antítese será possível não só dizer que os seres humanos nascem iguais mas diferentes, como também sustentar que a igualdade reside na diferença.
O debate sobre a igualdade versus diferença, entretanto, só foi introduzido no movimento feminista entre a década de 70 e 80, quando atribuindo uma valência positiva à diferença, direcionou-se a luta em favor da igualdade na diferença. Essa revisão no feminismo surge a partir do momento em que se percebeu uma ambiguidade nos discursos, em que as mulheres se esforçavam para assimilar os modelos considerados masculinos em detrimento dos femininos.
A autora considera que a grande conquista do projeto feminista igualdade na diferença foi a possibilidade de mudança nas relações de gênero, na medida em que as mulheres (e os homens) puderam se libertar dos velhos estereótipos e construir novas formas de se relacionar, agir e se comportar.
Outro reflexo provocado pelo movimento feminista foi a crise da masculinidade, uma vez que esse movimento foi responsável por mudanças radicais nos valores, nos costumes e nas relações de trabalho e família, e de transformações socioeconômicas e culturais num contexto amplo caracterizado pela ascensão do capitalismo. Por consequência, observa-se hoje, pelo menos nas sociedades ocidentais, um distanciando dos modelos estereotipados de gênero, permitindo que homens e mulheres possam desenvolver novas formas de subjetividade.

Referência: Araújo, M. F. Diferença e igualdade nas relações de gênero: revisitando o debate. Psicologia clínica, 2005, 17, 2,41-52.

Resenha: Diferença e igualdade nas relações de gênero – revisitando o debate

Louise Correia Vital

O artigo “Diferença e igualdade nas relações de gênero: revisitando o debate” da autora Maria de Fátima Araújo situa o leitor, a partir de um enfoque histórico, no debate sobre a diferença e igualdade no âmbito das questões de gênero.
Primeiramente, o texto se inicia apresentando o argumento de que em diversas áreas do conhecimento procuram ou procuraram estudar a “diferença sexual”, como na antropologia e nas ciências sociais. Porém, apenas com o feminismo foi instaurado uma nova forma de análise das diferenças e igualdades entre os sexos. Este novo olhar permitiu que não só se pensasse nessas questões dicotomicamente, entre os sexos, mas também dentro deles: “não só entre homens e mulheres, mas entre mulheres e entre homens”.
A partir da utilização do conceito de “gênero” pelas feministas americanas como uma categoria de análise social, e não no seu sentido puro gramatical de “indivíduos de sexos diferentes”, houve um deslocamento dos estudos sobre a ‘mulher’ para se estudar as ‘relações de gênero’. Pois não é possível dissociar o mundo da mulher do homem e vice-versa. Sendo assim, o termo foi associado mais à relações sociais entre os sexos, e não à padrões de comportamento naturalizados. A definição apresentada pela autora abarca bem esta mudança: O termo “gênero” torna-se, antes, uma maneira de indicar “construções culturais” – a criação inteiramente social de ideias sobre papéis adequados aos homens e às mulheres. Trata-se de uma forma de se referir às origens exclusivamente sociais das identidades subjetivas de homens e de mulheres. “Gênero” é, segundo essa definição, uma categoria social imposta sobre um corpo sexuado. Com a proliferação dos estudos sobre sexo e sexualidade, “gênero” tornou-se uma palavra particularmente útil, pois oferece um meio de distinguir a prática sexual dos papéis sexuais atribuídos às mulheres e aos homens (Scott, 1995: 75).
O estudo sobre gênero percebe, então, as representações deste como estruturador da percepção e da organização concreta e simbólica da vida social, como disse a própria autora “Na medida em que essas referências estabelecem distribuições de poder (um controle ou um acesso diferencial às fontes materiais e simbólicas), o gênero torna-se envolvido na concepção e na construção do poder em si mesmo. ”
A utilização do gênero como metodologia de estudo analítico foi proposto por autoras como Scott(1995) e a historiadora francesa Louise Tilly(1994) como forma de criticar a forma puramente descritiva com que se dava os estudos sobre a mulher. Elas acreditam que o gênero deveria ser aceito como uma verdadeira categoria de análise, por meio de uma conceitualização que possa desafiar os conceitos dominantes atualmente na disciplina histórica. A autora corrobora com a ideia do gênero como uma categoria empírica e histórica, e portanto, como uma categoria analítica. Sendo assim, ela escreve: “Apreendido da realidade empírica, [o gênero] ele expressa as relações históricas e as formas de existência da realidade social. ”
Além desta categoria, Maria entende o gênero como sendo também uma categoria política que pode ser usado também para estudar a problemática da igualdade e diferença entre os sexos. A diferença entre os seres humanos já foi tratada em diversos âmbitos – filosófico, religioso, biológico, psicológico, antropológico e social. Atualmente esse debate continua muito forte, com a diferença no discurso: não mais “direito à diferença”, mas sim “respeito às diferenças” e a “preservação das particularidades culturais”
Historicamente, a discussão que cerceia o gênero desenvolveu-se a partir de dois vieses: um essencialista, que acreditava na naturalização de certas características, como a “essência feminina”, exaltando a diferença desta com a do sexo oposto; e a culturalista, em que acredita que as diferenças sexuais são resultados da socialização e da cultura. Uma terceira abordagem que se desenvolveu acerca desta temática foi exposta pela feminista francesa Françoise Collin (1992). Ela trouxe os conceitos dicotômicos de igualdade e diferença como constituindo uma única categoria, em que não só há um respeito pelas diferenças, como também uma necessidade. Collin propôs pensar a diferença em 3 níveis: entre o sujeito-mulher e sua condição de mulher; entre as mulheres; e entre as mulheres e o mundo dos homens. Com relaçao a sua primeira distinção, ela diz que uma mulher não é só uma mulher. “Um sujeito mulher não se reduz à sua feminilidade; ao contrário, é um sujeito heterogêneo ”. Sobre a diferença entre as mulheres, diz que é importante construir uma nova forma de socialização entre elas, para que seja possível incluir essas diferenças. E em relação a diferença entre as mulheres e o mundo dos homens, diz ser necessário uma nova forma de compreender essa relação. A proposta de Collin é de incorporar em um diálogo contínuo as diferenças e igualdades, sem haja negação de uma ou de outra, ou seja, desconstruir a análise binária que vem sendo feita desses elementos.
Sobre a questão da igualdade, no início do movimento feminista, a luta pela igualdade se sobrepôs à luta pela diferença. As mulheres tentaram ocupar o lugar do homem, transgredindo a norma que permitia classificar a mulher como o avesso do homem, porém “na luta pela igualdade tropeçaram na diferença”. A diferença, naquela época, era vista como sinônimo de desigualdade. Ao tentar ocupar o lugar do homem na sociedade, essas mulheres se viram em um confronto com sua real identidade. Somente no final dos anos 80 isso se inverteu e as mulheres resolveram defender o direito de serem diferentes dos homens.
Por fim, o último tópico do texto em questão fala sobre a crise da masculinidade e as novas relações de gênero. As mudanças no mundo da mulher decorrente do feminismo não foi isolado do mundo dos homens, esse também se modificou. Assim como feminino, repensar o masculino pressupõe rever modelos de comportamento, teorias e discursos que foram usados para explicar o “masculino” ou a “essência masculina”. A crisa da masculinidade tem início no século XVII na frança, onde existiam mulheres que possuíam mais escolaridade e conhecimento e por isso se questionavam sobre o lugar da mulher na sociedade da época. As chamadas “preciosas francesas” defendiam a igualdade entre os sexos, o direito ao amor e ao prazer sexual, o acesso à mAraújo, M. F. Diferença e igualdade nas relações de gênero: revisitando o debate. Psicologia clínica, 2005, 17,2,41-52esma educação intelectual dada aos homens. Na Inglaterra, com o desenvolvimento do amor romântico e a ascensão do individualismo – pois um está diretamente ligado ao outro – houveram muitas discussões acerca dos papéis dos homens e das mulheres na família, no casamento e na expressão da sexualidade. Portanto, vê-se que assim como as mudanças no mundo dos homens estão diretamente ligados a questões históricas, o mundo das mulheres não escapa à isso. Com a ascensão do capitalismo e a destituição da estrutura paternalista, houve uma abertura para que a mulher pudesse se inserir no espaço público – trabalhando, por prazer ou necessidade. Devido a essas transformações socais, percebe-se que os homens, assim como as mulheres, buscam maneiras diferentes e distantes do sexismo para se inserir e se afirmar como ser masculino na sociedade, partindo do princípio de que não há uma masculinidade, assim como não há uma única feminilidade. Diante desse quadro, é possível, para a autora, afirmar que relações de gêneros mais democráticas podem vir a surgir, tendo o direito à igualdade e o respeito às diferenças como suporte.
A partir do que foi apresentado, Maria se utiliza do debate histórico sobre a igualdade-diferença e as transformações sociais ocorridas para discutir a questão da igualdade-diferença, a ideia de gênero como categoria de análise e a crise da masculinidade. O que foi apresentado ao final do texto pela autora tem um caráter bastante otimista. Segundo ela, os homens estão buscando novas formas de se inserir na sociedade, “tomando consciência das tensões e conflitos impostos pelo machismo” valorizando a subjetividade e relações íntimas, fugindo do sexismo que por anos vigorou e provocando relações de gênero mais democráticas. Esta idealização pode ainda estar longe de se tornar realidade. É verdade que muitos dos comportamentos-padrão que eram atribuídos a ambos os sexos está sendo hoje muito debatido e alguns deles até desclassificados, porém, presumir que essas modificações se estende para todos os homens ou a maioria não é verídico, e ainda que fosse, admitir que apenas isto desenvolverá relações mais harmoniosas entre os sexos é uma visão bastante ingênua por parte da autora. Uma vez que todos os dias presenciamos formas antigas e retrógradas de comportamento por parte dos homens (e das mulheres). Mesmo os direitos humanos ainda se encontra muito distante deste ideal. Certamente não se pode negar as conquistas e a importância do espaço que existe para que esses debates sobre gênero estejam mais presentes no dia a dia. Porém, uma mudança de valores desta magnitude, como infere a autora, ainda não existe, mas vê-se que a tendência é continuar caminhando em direção a tal ideal, talvez as futuras gerações possam desfrutar disto.

Referência Bibliográfica:Araújo, M. F. Diferença e igualdade nas relações de gênero: revisitando o debate. Psicologia clínica, 2005, 17,2,41-52

Resenha: Aparência física e amizade íntima na adolescência: Estudo num contexto pré-universitário

Apohena Noroya

O artigo se configura como uma pesquisa que aborda a associação entre a percepção sobre a aparência física e a amizade intima, considerando-os como um fator de importante valor preditivo no desenvolvimento psicossocial de adolescentes. Na introdução o autor caracteriza intimidade como uma relação emocional marcada pela concessão mútua de bem-estar, pelo consentimento explicito para revelação dos assuntos privados, podendo envolver a esfera dos sentidos e pela partilha de interesses e atividades em comum, favorecendo o crescimento e a auto-revelação do adolescente.
Segundo o autor, alguns estudos estabelecem que o conceito de intimidade/amizade intima na adolescência e pré-adolescência, pode ser estruturado em oito dimensões: sinceridade e espontaneidade; sensibilidade e conhecimento; vinculação; exclusividade; dádiva e partilha; imposição;atividades comuns; confiança e lealdade. Sendo que a intimidade deve ser avaliada numa esfera dual, onde se conhece a si mesmo e ao outro ao mesmo tempo. O conceito de intimidade corporal passa primeiro pela percepção que se tem de si próprio, o auto-conceito, que pode ser positivo ou negativo e a depender de como os adolescentes vêem o próprio corpo isso vai ser determinante para sua relação com o outro, pois o corpo físico e aparência são o meio por excelência de acesso ao mundo e a toda experiência de vida.
Na adolescência emergem as verdadeiras relações de amizade baseadas na intimidade e o favorecimento de novas formas protegidas de intimidade através das redes sociais da internet favorece a propagação da amizade entre eles. Junto a outros adolescentes eles se sentem mais seguros para compartilhar interesse, valores, credos atitudes sem o medo de se sentirem julgados. Outro aspecto que o autor destaca como determinante nas mudanças dos relacionamentos íntimos entre adolescentes são os aspectos da puberdade e as transformações dos impulsos sexuais.
O auto-reconhecimento, o ser reconhecido pelo outro, construir, partilhar relações de intimidade e interagir socialmente constitui-se como um exercício de equilíbrio para o adolescente e as falhas deste equilíbrio podem determinar falhas na construção da identidade e isolamento social no futuro. Existem ainda segundo o autor, diferenças de gênero na forma pela qual meninas e meninos lidam com estas experiências, ocorrendo segundo alguns autores uma maior destreza entre as meninas no estabelecimento de relações com base na intimidade e no entendimento interpessoal.
Para analisar a relação entre a percepção sobre a aparência física e as relações de amizade intima na adolescência, o autor optou por realizar uma pesquisa com alunos pré-universitários de duas Escolas Secundárias de Portugal entre alunos do sexo feminino e masculino. Foi utilizado um questionário contendo as: Escala de Amizade Intima, Escala de Percepção de Auto-conceito(adaptada para a população portuguesa) e Notação Social Familiar – Graffar Adaptado que investiga o nível socioeconômico, além de dados de identificação sobre os adolescentes.
Os resultados mostraram diferenças entre gêneros onde os valores de amizade intima são mais elevados no sexo feminino e os valores de percepção sobre a aparência física, mais elevados no sexo masculino, o que sugere uma valorização diferente, entre sexos, dos aspectos do auto-conceito físico e da amizade intima na adaptação social e pessoal de adolescentes. As meninas apresentam mais maturidade do que os meninos para lidar com uma relação de amizade intima, sendo que, entre os indivíduos do sexo feminino e do masculino existe uma predileção por amizades do sexo feminino por motivações diferentes, pois as meninas buscam pares aos quais se identificam e os meninos buscam o sexo oposto numa perspectiva de auto afirmação da sua masculinidade.
Os valores de percepção sobre a aparência física revelam-se mais influentes num baixo auto conceito feminino, acredita-se pela própria cobrança, muito maior entre os indivíduos do sexo feminino pela beleza física e a necessidade de ser aceita por pares de ambos os sexos.

Referência:
Cordeiro, Raul A. Aparência física e amizade intima na adolescência: Estudo num contexto pré-universitário. Análise Psicológica, 24, 3, 509-517, 2006.