Criatividade baiana

Reproduzo aqui um post encontrado no blog Jeito baiano sobre os significados e usos para a palavra porra.

1) PORRA pode ser utilizada para várias situações cotidianas:

– Se você toma um susto: POOORRA!
– Se você vê um amigo: legal te ver, PORRA ou Você sumiu PORRA!
– Se você admira algo: POOOORRA!
– Se você está indignado: Que PORRA!
– Como adjetivo: Você é uma PORRA!
– Pra mandar alguém se acalmar: Queta PORRA!
– No diminutivo, pode ser elogio: Gosto muito de você, seu PORRINHA!

2) Como indicação geográfica:

– Onde fica essa PORRA?
– Na casa da PORRA
– Vá pra PORRA!
– 18 horas – vou embora dessa PORRA!

3) Sentido de quantidade:

– Trabalho pra caramba e não ganho PORRA nenhuma!
– Isso é caro pra PORRA!
– Ela mora longe pra PORRA!
– Ela é bonita pra PORRA!

4) Substitui qualquer objeto:

– Não se enxerga PORRA nenhuma!
– Não ganhei PORRA nenhuma de presente!
– Vou “picar” a PORRA! (sinônimo de jogar)
– Deixa essa PORRA aí!

– Para você ter lido até aqui, é sinal que não está fazendo PORRA nenhuma…

Preconceito: O baiano e a preguiça

Contribuição: Clara Vasconcelos e Daiana Nogueira


Existe uma crença compartilhada de que o povo baiano, além de festivo e hospitaleiro, é também preguiçoso. Muito se fala de nossas festas, mas pouco se fala dos vários trabalhadores baianos que trabalham nestes momentos, enquanto os turistas se divertem em períodos como o Carnaval.
Uma tese de doutorado defendida na USP atesta justamente o contrário deste estereótipo, ou seja, traz a informação de que o povo baiano trabalha tanto quanto, ou até mais do que pessoas de outras regiões. O texto traz ainda os principais responsáveis pela criação e disseminação deste estereótipo, como os colonizadores portugueses, a mídia, os cantores e os próprios profissionais do turismo. Clique aqui para acessar a tese.

Estereótipos e música: baiano burro

Contribuição: Patrícia Carvalho

O pau que nasce torto
Não tem jeito morre torto
Baiano burro garanto que nasce morto

Sou da Bahia comigo não tem horário
Não sou otário e você pode zombar
Sou cabra macho, sou baiano toda hora
Meio dia, duas hora, quatro e meia o que é que há
Cabeça grande é sinal de inteligência
Eu agradeço a providência ter nascido lá

Salve a Bahia, ioio
Salve a Bahia, iaia
Sou cabra macho, sou baiano toda hora
Meio dia, duas hora, quatro e meia o que é que há
Cabeça grande é sinal de inteligência
Eu agradeço a providência ter nascido lá

O pau que nasce torto
Não tem jeito morre torto
Baiano burro garanto que nasce morto

Salve a Bahia, ioio
Salve a Bahia, iaia
Sou cabra macho, sou baiano toda hora
Meio dia, duas hora, quatro e meia o que é que há
Cabeça grande é sinal de inteligência
Eu agradeço a providência ter nascido lá

O Castro Alves poeta colosso
Sujeito moço, mas soube o que fez
A Marta Rocha violão baiano
Foi mostrar pro americano que a Bahia já tem vez
E Rui Barbosa, cabra de sangue na guerra,
Foi pra Inglaterra ensinar inglês

O pau que nasce torto
Não tem jeito morre torto
Baiano burro garanto que nasce morto

Estereótipos e música: we are carnaval

Contribuição: Júlia Lobo e Patrícia Carvalho

Ah, que bom você chegou
Bem-vindo a Salvador
Coração do Brasil (do Brasil)
Vem, você vai conhecer
A cidade de luz e prazer
Correndo atrás do trio
Vai compreender que a baiano é:
Um povo a mais de mil
Ele tem Deus no seu coração
E o Diabo no quadril
We are Carnaval
We are folia
We are the world of Carnaval
We are Bahia

Estereótipos e anedotas regionais: assaltantes

ASSALTANTE BAIANO
Ô meu rei… ( pausa )
Isso é um assalto… ( longa pausa )
Levanta os braços, mas não se avexe não.. ( outra pausa )
Se num quiser nem precisa levantar, pra num ficar cansado ..
Vai passando a grana, bem devagarinho ( pausa pra pausa )
Num repara se o berro está sem bala, mas é pra não ficar muito pesado.
Não esquenta, meu irmãozinho, ( pausa )
Vou deixar teus documentos na encruzilhada .

ASSALTANTE MINEIRO
Ô sô, prestenção
issé um assarto, uai.
Levantus braço e fica ketin quié mió procê.
Esse trem na minha mão tá chein de bala…
Mió passá logo os trocados que eu num tô bão hoje.
Vai andando, uai ! Tá esperando o quê, sô?!

ASSALTANTE CARIOCA
Aí, perdeu, merrrrmão
Seguiiiinnti,
Tu te fu. Isso é um assalto véio .
Passa a grana e levanta os braços rapá .
Não fica de caô que eu te passo o cerol….
Vai andando e se olhar pra tras vira presunto

ASSALTANTE PAULISTA
Pô, meu …
Isso é um assalto, meu
Alevanta os braços, meu .
Passa a grana logo, meu
Mais rápido meu, que eu ainda preciso pegar a bilheteria aberta pra
comprar o ingresso do jogo do Curintia meu . Pô, se manda, meu

ASSALTANTE GAÚCHO
O gurí, ficas atento
Báh, isso é um assalto
Levanta os braços e te aquieta, tchê !
Não tentes nada e cuidado que esse facão corta uma barbaridade, tchê.
Passa as pilas prá cá ! E te manda a la cria, senão o quarenta e quatro fala..

ASSALTANTE DE BRASILIA
Querido povo brasileiro, estou aqui no horário nobre da TV para dizer que no final do mês, aumentaremos as seguintes tarifas: Energia, Água, Esgoto, Gás, Passagem de ônibus, Imposto de renda, Lincenciamento de veículos, Seguro Obrigatório, Gasolina, Álcool, IPTU, IPVA, IPI, ICMS, PIS, COFINS…

Estereótipos, preconceitos e o exercício do jornalismo: exercício de preconceito implícito na Folha de São Paulo

A Folha é um veículo de comunicação que a cada dia se identifica e é identificado com este país dentro do Brasil chamado São Paulo. Quando um editor deste jornal destila preconceitos por todos os poros, ninguém parece perceber. Clique aqui e leia o artigo publicado por um famoso jornalista e note quão preconceituosa uma pessoa pode ser, mesmo querendo pousar de avançada e politicamente correta, algo ainda mais grave quando se trata de um de jornalista que tenta aparentar uma enorme vocação para a defesa das causas educacionais. O título do artigo já diz tudo: deficit de QI baiano é verdade. Temos, no caso, um excelente exercício de como é possível ser ambíguo, irônico e não dizer nada … ou melhor, de como deixar as coisas claras, mesmo que aparentemente nada seja afirmado. Desde o começo, o artigo explicita que o déficit dos baianos é a contrapartida exata e simétrica do superavit do QI do paulista. Afinal, quem não tem QI é obrigado, por falta de oportunidades, ou porque o QI não é lá estas coisas mesmo, a ficar na Bahia. Ele provavelmente conhece bastante bem a Bahia, os baianos e sabe que o principal indicador de inteligência do baiano é se mudar para São Paulo, pois a criatividade do parco QI baiano sem a disciplina do superavitário QI paulistano não significa absolutamente nada. E claro, o exemplo mais marcante que o jornalista encontra para exemplificar o QI dos baianos é um famoso publicitário. O exemplo é perfeito, ilustra bem o que ele entende ser uma pessoa inteligente e indica, afinal, que o decisivo para a definição da inteligência de qualquer um, baiano ou paulista, é que a pessoa seja uma reluzente estrela de uma constelação (provavelmente uma constelação de publicitários e, claro, jornalistas).
O jornalista é ainda mais feliz ao aludir que São Paulo, o grande importador de cérebros, é o lugar onde se encontra a inovação e que esta anda lado a lado com a prosperidade. Fora desta ilha enorme de prosperidade e inovação sobraria apenas repetição e a mediocridade. Para o jornalista, portanto, o que divide o Brasil não é a desconcertante riqueza de uns poucos e injustificada miséria de uns tantos. Para ele temos dois Brasis, um das pessoas criativas e de alto QI que estão em São Paulo e os outros medíocres e repetitivos, que não conseguem nem mesmo pensar na hipótese de viver no Eldorado. Certamente ele deve ter dados que oferecam suporte a esta certeza, afinal, um jornalista/educador deve estar a par dos principais indicadores educacionais. Ou talvez, os índices, exemplos ou outros dados mais objetivos não sirvam para nada. Afinal, ele é membro do Conselho Editorial da Folha de Sâo Paulo ou seja, é uma reluzente estrela de uma brilhante constelação. E para o resto, para todos nós que não escolhemos, podemos ou queremos viver em São Paulo, sobra a mediocridade e a repetição à qual fomos condenados pelo nosso déficit de QI e pelo reluzente  jornalista.