Notícia do dia: Test says women are ’talkative’

Matéria publicada no periódico turco  Hurriyet DailyNews.com  reproduz uma questão encontrada numa prova aplicada durante um exame de seleção de policiais.

O que mais caracteriza uma  mulher?

a) ser insolente
b) ser reflexiva
c) ser regida pelo pensamento lógico
d) acreditar  em si mesma
e) conversar excessivamente sobre futilidades

Clique aqui para ler a reporatgem.

Grupos de ódio na internet

Contribuição Janielly Braz

Militantes e grupos que promovem o ódio, aproveitam o anonimato na internet como forma eficaz de fomentar suas idéias e aumentar o número de seguidores. Em 2008 houve 25% de aumento no número de comunidades que atribuem ódio a algum grupo específico, sendo mais comum as direcionadas a negros, judeus, gays, católicos e muçulmanos. Abaixo um exemplo de comunidade, a interação entre os usuários e como a polícia age na tentativa de barrar esse tipo de ação no mundo virtual.

Links
http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u109668.shtml
http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL1124601-6174,00.html

Os indígenas e a tecnologia: a retomada

chamada

Contribuição: Bernardo Follador

A população indígena brasileira encontra um grande problema na busca pela inclusão digital, o preconceito. Indivíduos apegados a seus estereótipos acreditam que a tecnologia não faz parte da cultura do índio e criticam/dificultam o acesso a essas ferramentas. Em um mundo em que a informação se tornou a arma mais poderosa, as nações indígenas já aprenderam a usar a internet para ajudá-los a se organizar, comunicar, divulgar sua cultura e etc. Mas continuam a ser representados com o arco e flecha. Clique aqui para ler a matéria publicada no JC Online sobre a retomada indígena.

Índio e Informatica

Estereótipos étnicos: os curdos

Contribuição: Marcus Vinicius Alves

O povo curdo é o maior povo do mundo sem território próprio. Eles vivem pela área da Ásia Central à Europa e com alguns representantes nos Estados Unidos. 90% vivem em um país virtual que chamam de Curdistão que está espacialmente localizado na Turquia, na Síria, no Azerbaijão, no Iraque e no Irã. O povo curdo tem sido oprimido pela política mundial e há muito tempo já fora prometido a eles o seu próprio país. Diferentemente do que habitualmente se sabe sobre o países do islamismo, os curdos permitem uma liberdade maior às mulheres, não exigindo o uso do véu, permitindo o aprendizado da leitura e a fala mesmo quando há um grupo de homens discutindo. As necessidades e guerras constantes para a subexistência faz com que muitos dos curdos tenham que trilhar caminhos da pirataria no deserto, bandidagem ou guerrilha.

Fonte: Época Online

Estereótipos e cinema: a primeira princesa negra da Disney

Contribuição: Marcus Vinicius Alves

A Disney lançará em breve um filme com a sua primeira princesa negra, chamado “A Princesa e o Sapo” e para não cometer erros e expressar estereótipos que possam ofender a comunidade afro-americana tem pedido ajuda para conselheiros dos movimentos negros dos Estados Unidos.

Pela matéria do link, já dá para ver a primeira estereotipização, ligando a cor da pele com o estilo musical Jazz, entretanto o fato da produção estar sendo acompanhada talvez evite os mais absurdos deslize. Deslizes como o príncipe ser também negro (repetindo o que sempre se vê nos filmes, onde personagens negras só se casam com outras personagens negras), se a princesa terá um leve sotaque no gueto e fã de hip hop, se terá um teor cômico (muito atribuído a personagens negras) etc. Clique aqui para ler a matéria publicado em O Globo.

Notícia do dia: estereótipos, aparência física e preconceito

Contribuição: Gilcimar Dantas

Uma mulher foi obrigada a tirar a blusa na porta giratória de uma agência do Branco do Brasil  em  Jundiaí.  Apesar dela ter afirmado não possuir mais nada que pudesse tirar e por no compartimento para objetos metálicos,  foi hostilizada pelo vigilante da agência e  se sentiu obrigada a tirar parte da roupa  para “provar” que falava a verdade. A vítima alegou ter sofrido tal humilhação pelo fato de ser negra.
Não é nada imprudente acreditar que ela tenha razão, pois no Brasil não é nada estranho determinadas pessoas serem categorizadas negativamente como se todas elas possuíssem certas características que, por si só, as tornassem desprezíveis. Clique aqui para ler a notícia.