Grupos de ódio na internet: lugar de nordestino

Contribuição: Natália Canário e Yasmin Oliveira

As redes sociais que são formadas no mundo virtual, além de serem um espaço para conhecer pessoas e fazer amizades, também são usadas para disseminar o ódio. No orkut, que é um desses espaços de relacionamento, isto pode ser constatado pelo infindável número de comunidades cujos títulos começam com “Eu odeio…” e são dirigidas a determinados grupos ou indivíduos. Os nordestinos são comumente alvos desse tipo de preconceito.
Uma dessas comunidades, que apesar de não utilizar a palavra “ódio” na sua descrição, apresenta um perfil altamente preconceituoso:

“Nordestino tem o Nordeste, mas pra ele isso não lhe basta.
A sua ambição QUER todo o território nacional para impôr sua Cultura.
Assim, vão para outros lugares praticar genocídio de Culturas.

Nordestinos são RACISTAS e INTOLERANTES. Não admitem a existência de outros.
Se contrariados, berram se fazendo de coitadinhos e vítimas.

Pensam que são os reizinhos do mundo. Onde vão, se apoderam. Não pensam duas vezes pra fazer escândalo em hospital exigindo atendimento. Mas não fazem igual pra reivindicar direitos na terra deles.

As pessoas devem respeitar seu espaço vital e o alheio.
Nordestino não respeita o espaço alheio.

Invadem outros estados, tomam o que é dos outros que existiam antes. E não admitem não ser aceitos !!!

Como querem ser respeitados, se não respeitam ?
Intolerantes, se não gostam de alguma coisa, já querem reprimir e denunciar, apostando no governo a seu favor.

Lugar de NORDESTINO é no NORDESTE !”

É interessante notar que os donos da comunidade, bem como seus participantes, não só não se vêem como preconceituosos, como justificam seu repúdio pelos nordestinos atribuindo a eles adjetivos como “racistas e intolerantes”, que poderiam ser aplicados à propria descrição da comunidade.

* Aos que tiverem a curiosidade de olhar a comunidade, espiem também os fóruns: é lá que as expressões de ódio são ainda mais explícitas e os conflitos se dão em maior intensidade.

Grupos de ódio na internet

Contribuição Janielly Braz

Militantes e grupos que promovem o ódio, aproveitam o anonimato na internet como forma eficaz de fomentar suas idéias e aumentar o número de seguidores. Em 2008 houve 25% de aumento no número de comunidades que atribuem ódio a algum grupo específico, sendo mais comum as direcionadas a negros, judeus, gays, católicos e muçulmanos. Abaixo um exemplo de comunidade, a interação entre os usuários e como a polícia age na tentativa de barrar esse tipo de ação no mundo virtual.

Links
http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u109668.shtml
http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL1124601-6174,00.html

Grupos de ódio na internet: mina mano

Contribuição: Aruanã Fontes e Milena Magalhães

No orkut podemos encontrar muitas comunidades que expressam ódio a um grupo ou pessoa. Dentre essas podemos encontrar um comunidade com 28.748 participantes que dizem odiar as chamadas “mina mano”. Na descrição podemos perceber como eles classificam o grupo de garotas que pertenceria a esse grupo, atribuindo-lhes caracteristicas e expressões negativas. No item referente a categoria da comunidade no orkut eles optaram por “Animais: de estimação ou não”, resaltando a maneira pejorativa com vêem esse grupo.

Descrição:

Substantivo:
Mina-mano; A mina dos mano; (plural) vadias, jumbeiras, fogueteiras, etc.
1.(Brasil) Elemento; portadoras de DSTs, drogadas, analfabetas.
Atividades:
Assaltar a carteira da mãe, se drogar e engravidar aos 15 de algum nóia no baile funk ou no show do Racionais.
Etimologia:
Derivação por sufixação: A mina+Os mano+Teste de DNA pra saber quem é o pai dos pivetes.

http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=1939254

Grupos de ódio na internet: eu odeio quem odeia..

Contribuição : Ailton Araújo e Lucas Carneiro

Essa comunidade é o retrata do sentimento de restabelecimento do orgulho de ser nordestino, visto que esse tem sido deverasmente marginalizado e difamado pelos meios de comunicações em geral. Haja vista que este é um povo que luta, chora , sofre , ri e que também é humano.

http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=1532284

Estereótipos e aparência física: no orkut

Contribuição: Clara Vasconcelos & Daiana Nogueira

O site de relacionamentos Orkut, dentre outras ferramentas, oferece a oportunidade do seu associado postar fotos que podem ficar visíveis a todos os demais associados. No início, o Orkut suportava apenas 12 fotos em cada perfil de seus associados. Recentemente, este site de relacionamentos aumentou a sua capacidade de receber fotos assustadoramente. Comportando inúmeros albuns com cem fotos cada. É bastante visível que estas fotos muitas vezes são maneiras de promover-se em um universo onde a beleza e a aparência são valorizadas a ponto de influênciar a quantidade de amigos e popularidade dos indivíduos em comparação com os demais associados.
A beleza é tão importante para tal site de relacionamento que recentemente, o Orkut publicou uma pesquisa sobre as percepções de seus usuários sobre suas próprias aparências físicas:  http://blog.orkut.com/2007/11/tendncias-do-orkut.html
Além disso, observa-se que os estereótipos acerca do que é belo, ou não, são muito nítidos, como demonstram as comunidades:

http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=36834786;

http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=745986

http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=27631092

Ainda é valido salientar que estas comunidades (com suas fotos de apresentação) e as fotos postadas pelos usuários tendem a seguir o padrão de beleza vigente na atualidade, valorizando aspectos como a magreza, cabelos lisos e loiros e pele clara. Revelando, portanto, um processo de homogenização, e a consequente exclusão daqueles que não estão afinados com o requerido padrão.

A dimensão avaliativa dos estereótipos

Hoje, 07 de dezembro de 2007, podem ser identificadas no orkut, a rede social preferida pelos internautas brasileiros, algumas comunidades que ostentam o termo estereótipos no próprio nome. A mais popular, ´eu odeio estereótipos´, mantém o registro de 2080 membros. Os nomes destas comunidades evidenciam quão negativa é a visão que as pessoas possuem dos estereótipos sociais; de um total de 18 comunidades, 13 ostentam no próprio título expressões como a anteriormente aludida, ou similares, tais como ,´chega de estereótipos´, ´sou contra estereótipos´ e ´Brasil sem estereótipos´. Isto parece refletir a opinião socialmente compartilhada acerca dos estereótipos, o que é um bom indicador de que os estereótipos não se manifestam apenas em pessoas toscas, cognitivamente limitadas ou em pessoas preconceituosas, acostumadas a tratar de forma discriminatória aos membros das categorias minoritárias. Qualquer pessoa estaria suscetível a adotar o raciocínio categórico e tratar a um outro de forma estereotipada. As teorias psicológicas sobre os estereótipos teriam de dar conta desta condiçãoe o s argumentos apontam para três grandes direções. Uma é claramente individualista. Hipóteses como as da frustração-agressão ou teorias como as do bode expiatório sugerem que os estereótipos se manifestam porque os indivíduos precisam oferecer satisfação às suas necessidades psicodinâmicas. Uma segunda é inteiramente holista e sustenta a tese que as crenças estereotipadas se manifestam nas circunstâncias em que estão presentes e se disseminam na sociedade conflitos reais entre os grupos. Estas duas teorias, apesar de aparentemente divergentes nos seus princípios básicos, confluem em um ponto comum, ao admitirem que os estereótipos apenas refletem a ação de indivíduos, com diferentes graus de preconceito, submetidos a uma situação real de conflito entre os grupos. Um terceiro grupo de teorias se inscreve numa vertente mais sistematista e adere ao entendimento de que a expressão dos estereótipos preenche uma função política no âmbito de um sistema social hierarquizado, sendo usado preferencialmente para justificar e racionalizar a desigualdade e a discriminação. A entrada em cena do movimento da cognição social representa uma reviravolta nas teorias predominantes até então. A busca pela identificação dos conteúdos das crenças arrefece e ganha corpo um grande interesse pela investigação dos processos cognitivos envolvidos na ativação e aplicação dos estereótipos. Estereotipizar passa a ser visto como um efeito inevitável da ativação e aplicação dos rótulos verbais que associam os indivíduos às categorias sociais às quais eles pertencem. Nesse sentido, como se trata-se de um elemento decisivo no processo de codificação e categorização e, na medida em que oferece os recursos necessários para simplificar, retirar as ambigüidades e enriquecer a experiência perceptual, o processo de estereotipização tende a ser um recurso que o indivíduo habitualmente a encontra à disposição para dotar de sentido a realidade em que vive. Ainda que pese o impacto das teorias de base cognitiva, a visão negativa que acompanha o conceito de estereótipos não se diluiu inteiramente, tanto na visão do senso comum, o que se confirma pela simples leitura dos conteúdos expressos nas mensagens das diversas comunidades do orkut, quanto na própria psicologia social, onde os estereótipos continuam sendo referidos como o resultado da manifestação de mecanismos da economia cognitiva, como, por exemplo, na correlação ilusória, que se consusbstanciam na adoção dos atalhos mentais por um agente cognitivo considerado avaro e econômico de recursos.