Brasileiros e argentinos: sobre Pelé, Maradona e Manu Chao

Sim, nós temos Pelé; eles se contentam com Maradona. Este post é a propósito da música La vida es tombola, do último e excepcional disco do cantor francês/espanhol/catalão/brasileiro/latino-americano e anti-Bush Manu Chao.

Se yo fuera Maradona,
viviria como él.

Maradona, um mito de carne e osso, ainda vive, e intensamente, entre los hermanos argentinos. Suas jogadas excepcionais são freqüentemente lembradas. Em qualquer uma das inúmeras livrarias de Buenos Aires é possível encontrar muitos livros sobre o ídolo, inclusive um, onipresente, no qual é reproduzido, em cada uma das páginas, quadro a quadro, as imagens do gol contra a Inglaterra na Copa do Mundo de 1986, considerado pelos argentinos, assim como por este que escreve, como o mais bonito de todas as copas.

Se yo fuera Maradona,
frente a cualquier porteria,

Goleiros nunca foram problemas para Maradona. A cada internamento, um país inteiro de plantão, na porta do hospital a orar e chorar pelo ídolo e quando todos esperam o pior, eis que El Pibe cola a bola na perna esquerda e driblando quantos brutamontes zagueiros apareçam na frente, o porteiro e aquela de quem ningués escapa, arruma as malas, encontra um caminho e vai bater um animado papo com o velho camarada Fidel.

Se yo fuera Maradona
nunca m´equivocaría.

Pelé é um ícone, conhecido em todo o redondo mundo; ninguém sabe, no entanto, o que ele fez ontem ou está fazendo hoje, nem se está no Brasil ou se está lá fora. Pelé é um cidadão do mundo, quase nunca erra… quer dizer, desde que não fale de política. Maradona, também é um cidadão do mundo, claro, mas de vez em quando comete uns deslizes. E você, se fosse Maradona, nunca se equivocaria?