Resenha: Aparência física e amizade íntima na adolescência – Estudo num contexto pré-universitário

Luciana Alfano Moreira

   O artigo de Raul Cordeiro sobre a amizade íntima na adolescência começa com uma reflexão acerca da importância do desenvolvimento de relações de intimidade nessa fase da vida do indivíduo, e a percepção sobre o auto-conceito. Para tanto, conceitua a intimidade como uma relação emocional caracterizada pela concessão mútua de bem estar, pelo consentimento explicito para revelação dos assuntos privados, podendo envolver a esfera dos sentidos e pela partilha de interesses e atividades em comum. Cordeiro também afirma que o conceito de intimidade pode ser estruturado em oito dimensões: sinceridade e espontaneidade; sensibilidade e conhecimento; vinculação; exclusividade; dádiva e partilha; imposição; atividades comuns; confiança e lealdade.
Na esfera individual, a intimidade é mais facilmente expressa e desenvolvida, quando se tem a experiência do autoconhecimento e se tem conhecimento dos objetivos do indivíduo para a sua vivência social. Segundo o autor, esse exercício possibilita que o autoconhecimento ocorra simultaneamente ao conhecimento do outro. Dessa forma, cordeiro também aborda o conceito de intimidade corporal, essencialmente estruturada pela percepção que o sujeito tem de si e do próprio corpo, o auto-conceito. O autoconceito é importante na satisfação global, sendo importante também para a satisfação relacional.
Na adolescência se desenvolvem as verdadeiras amizades íntimas porque a necessidade de intimidade aumenta, porque o adolescente está mais apto a viver essas relações, e porque há uma mudança no modo como ele expressa sua individualidade e intimidade perante os outros. Nessa fase também, os adolescentes se sentem mais a vontade com seus pares do que com os adultos. Cordeiro também afirma que as mudanças decorrentes da puberdade e dos impulsos sexuais devem ser consideradas, as quais, evidentemente, ocorrem de forma diferente entre rapazes e moças, e só vai se equilibrar perto da fase adulta.
O autor salienta que a importância das relações de amizade íntima na adolescência também está na possibilidade que o jovem tem de se expressar, sem temer ser ridicularizado ou criticado. É determinante, segundo Cordeiro, na construção da identidade, dos valores, objetivos e sentimentos de pertença e autoestima. Talvez caiba acrescentar nesse tópico do autor que a identificação com os pares é sim, fundamental. Estar entre iguais e o conforto do sentimento de pertença são importantes nessa fase da vida.
Mas também se deve considerar que é na adolescência que ocorrem, cada vez com mais frequência, os casos de bullying. Adolescentes são ridicularizados por adolescentes por causa de características físicas consideradas fora do padrão, como excesso de peso ou baixa estatura, por comportamentos considerados afeminados por parte dos meninos, ou masculinizados por parte das meninas, pelo modo de se vestir ou de acordo com a “tribo” a qual o adolescente pertence. E, acrescendo ao que foi exposto pelo autor, a existência dessas “tribos”, muitas vezes estereotipadas e que rivalizam com outras tribos, serve para que um jovem tenha abertura da sua individualidade com outros, os adolescentes encontram experiências de vidas, gostos e afinidades semelhantes para relatar e compartilhar. Assim, os adolescentes se sentem seguros, protegidos em suas relações.
O estudo de Raul Cordeiro teve como objetivo geral analisar as relações entre a percepção sobre a aparência física e as relações de amizade íntima na adolescência, e como o próprio autor relata, esse objetivo é subdividido nos seguintes: a) avaliar a percepção sobre a aparência física em adolescentes de ambos os sexos; b) avaliar o nível de desenvolvimento de relações de amizade íntima, no mesmo grupo de adolescentes de ambos os sexos; e c) identificar diferenças entre sexos em relação à percepção sobre a aparência física e ao nível de desenvolvimento de relações de amizade íntima. A principal hipótese formulada é a de que a percepção que os adolescentes tem da sua aparência física influencia a forma como estabelecem relações de amizade íntima.
O estudo foi feito com 309 alunos distribuídos em duas escolas pré-universitárias, com idade média de 18 anos. A Intimate Friendship Scale foi utilizada com o objetivo de avaliar a amizade íntima, a The self-perception profile for college students (sete escalas das 13 originais), e a Notação Social da Família – Graffar adaptado. Além disso, outras variáveis como escola, sexo, idade, dentre outras, foram avaliadas.
Dentre os resultados observados, vale observar que a Escala de Amizade Íntima aponta que há um grau mais elevado de maturidade no sexo feminino, e que são também entre as mulheres que os resultados de amizade íntima são mais elevados, como já visto em estudos anteriores. O autor afirma que esse resultado se deve provavelmente à definição mais precoce da identidade no sexo feminino e, consequentemente, das uma definição mais clara do seu papel nas relações com os outros. Ainda na escala de Amizade Íntima as dimensões Confiança e Lealdade obtiveram maior valor médio, o que para o autor, indica que os jovens primam por amizades que possam partilhar segredos e que não haja traição da revelação.
Outro dado interessante é que a percepção de autoconceito foi elevada no geral, sendo que os valores femininos foram menores que os masculinos, assim como na dimensão percepção sobre aparência física. No item amizade íntima com o melhor amigo a dimensão atividades em comum teve pouca diferença entre os sexos. O grupo estudado realça a importância das atividades em comum, como no lazer, no desempenho das tarefas ou da ocupação do tempo livre. Entretanto, o autor acredita que o resultado que não difere entre rapazes e moças se dá porque eles tem as atividades em comum como uma das expressões mais importantes da amizade.
Em amizade íntima com a melhor amiga houve maior consenso entre ambos os sexos nas dimensões amizade íntima, vinculação, confiança e lealdade. Já nas dimensões sinceridade e espontaneidade, sensibilidade e conhecimento mútuo, exclusividade relacional, dádiva e partilhas e atividades comuns, foram encontradas diferenças estatisticamente significativas entre os sexos.
Na discussão, o autor conclui que a vivência das relações de amizade íntima na adolescência é fortemente influenciada pelo sexo. Nas mulheres, o fenômeno de identificação inter-pares, e para os rapazes, a necessidade de afirmação perante o sexo oposto. O estudo ignora adolescentes de orientação homossexual, e não considera essa variável. Além disso, Cordeiro observou que os valores de percepção sobre a aparência física se revelam mais influentes num baixo autoconceito feminino, provavelmente porque as cobranças quanto a aparência física feminina seja muito mais forte do que em relação aos homens. Mulheres são preparadas para serem bonitas e atraírem o sexo oposto desde muito novas, e quem não se encaixa no padrão de beleza exigido acaba sofrendo mais, chegando a ter problemas de autoestima.

Referência: Cordeiro, Raul A. Aparência física e amizade intima na adolescência: Estudo num contexto pré-universitário. Análise Psicológica, 24, 3, 509-517, 2006.

Resenha: Neurociência da Raça

Gustavo Siquara

Os autores do estudo trazem fazem uma revisão sobre os artigos que utilizaram Neuroimagem e as estruturas cerebrais a partir da exposição a faces de pessoas negras e brancas. O objetivo dessa resenha foi analisar os achados encontrados do artigo que apresenta e discute os estudos de neuroimagem em respostas a categoriais de raça negras e brancas em participantes Americanos. Com o advento da neurociência está sendo possível demonstrar as bases neurais de diferentes processos psicológicos e sociais. A algumas décadas os cientistas já estudam sobre a representação mental de raça e etnia. Mais atualmente tem surgindo estudos que apresentam evidências eletrofisiológicas, ressonância magnética funcional e outros métodos fisiológicos para entender como os indivíduos processam, avaliam e utilizam a variação humana ao longo da dimensão da raça. As áreas cerebrais que apresentam maiores ligações com a temática de etnias e raças são: amigdala, Córtex cingulado anterior, córtex pré-frontal dorsolateral e giro fusiforme.
A amigdala é uma estrutura subcortical muito relacionada a estudos de atitudes, crenças e tomada de decisão no estudo de brancos e negros. Em humanos a amigdala tem um papel essencial relacionado a aprendizagem emocional e medo. Essa estrutura apresenta muitas ligações com o córtex que detecta estímulos emocionalmente relevantes no ambiente, modulando o funcionamento cognitivo a atenção e a memória. A história das relações raciais nos EUA é especialmente marcada por emoções complexas incluindo medo e hostilidade. Embora ainda não seja encontrada em alguns estudos, existe uma predominância maior da ativação da amigdala quando tem que julgar faces de seu outgroup. Essa diversidade de achados está ligado principalmente a complexidade do funcionamento cerebral, principalmente por um fenômeno tão complexo como o preconceito. Outras áreas cerebrais serão apresentadas mais a frente a respeito da ativação da amigdala.
Há algumas décadas já existem estudos que apresentam medidas de associação implícitas em relação brancos e negros e o preconceito. As medidas implícitas tem apresentado um bom poder preditivo em relação ao preconceito. Os estudos também apontam que existe associação entre as medidas implícitas e a ativação da amigdala, com isso atitudes preconceituosas relacionadas à raça podem ser mediadas pela amigdala em respostas a faces de ingroup e do outgroup. No entanto a ativação da amigdala e consequentemente das medidas implícitas parecem ser moduladas por outras áreas cerebrais que apresentam efeito em atitudes sobre o preconceito.
Estudos com crianças que apresentam síndrome de Willians, que é uma condição genética marcada por comportamento excessivamente amigável, tem uma redução de ativação da amigdala em situações de ameaça e do giro fusiforme na interação com faces brancas e negras. A baixa ativação da amigdala foi detectada para faces relacionadas à raça mais não relacionadas ao gênero. Esse resultado sugere que a variabilidade da ativação da amigdala entre os indivíduos e as diferenças individuais dos grupos parece emergir de muitas influencias, incluindo temperamento, diferenças individuais e exposição a atitudes culturais. Em outras palavras a ativação da amigdala pode refletir a percepção da mente que diferencia a característica perceptual do estimulo da raça. Os resultados sugerem que a representação neural de atitudes implícitas e explicitas em relação a raça provavelmente está dentro de um larga sobreposição e interação de sistemas cerebrais.
Outra região cerebral que tem apresentado relações nos estudos sobre raça é a região do Córtex cingulado anterior. Geralmente as pesquisas apontam essa região sendo ativada quando o individuo experiência algum conflito entre uma resposta preponderante e intencional. São resposta que exigem um controle cognitivo como a tarefa de Stroop. Alguns estudos têm apontado que o córtex cingulado anterior reflete o conflito entre a resposta preponderante, automática de atitudes raciais e as respostas explicitas intencionais sobre a crença do igualitarismo sobre a raça. Nesse sentido os estudos indicam que a resposta de ativação da amigdala está correlacionada com o aumento da ativação do córtex cingulado anterior. Ou seja, quando o individuo inibe a resposta preponderante e regula a expressão do preconceito vai haver simultaneamente o aumento da ativação do córtex cingulado anterior. Outras pesquisas já apontam previamente que indivíduos podem ser intrinsecamente motivados ao controle de atitudes raciais, mas outros necessitam de uma motivação externa como as normas de igualitarismo para implementar o controle do preconceito. Os resultados dessas pesquisas mostram que a motivação intrínseca de inibição do preconceito é mais eficaz em comparação a indivíduos que são externamente motivados. Os indivíduos que são motivados mais internamente conseguem controlar mais expressão do preconceito.
A região dorsolateral pré-frontal está relacionada ao controle dos estímulos. Os estudos apontam essa área como ligada a regulação cognitiva das emoções modulando as respostas da amigdala. Também está envolvida no monitoramento e implementação do controle do comportamento. Conjuntamente com o córtex cingulado anterior a região dorsolateral pré-frontal no controle de respostas conflitantes e em atitudes implícitas no controle e regulação dos comportamentos ligados a raça. Lesões nessa região estão associados a redução do autocontrole e auto monitoramento. As regiões do córtex cingulado anterior e o dorso lateral pré-frontal são ativadas quando os indivíduos veem faces negras ou brancas e são correlacionadas com medidas implícitas. Essa região parece ser uma base para o controle da expressão do preconceito.
Os sistemas de controle de atitudes raciais são explicados de duas formas. A psicologia social tem proposto que processamentos complexos sociais e pessoais motivam e influenciam outros aspectos menos complexos a construir categorias bases, como as raças. Nesse processamento primeiro requer a detecção e categorização da avaliação da raça. A outra proposta envolve o alto processamento cognitivo pessoal e motivacional que exerce algum controle sobre processos cognitivos mais baixos. Nesse caso quando existe um conflito as áreas do córtex cingulado e do dorsolateral pré-frontal que regulam as emoções envolvidas na ativação da amigdala. Há evidencias de que outras regiões do córtex pré-frontal também está envolvida nesse processo de regulação racial.
A circuitaria cerebral envolvidas nos processos raciais são maleáveis. Os estudos apontam que a ativação dessas áreas cerebrais automatizadas é resultado de aspectos maleáveis que dependem de situações e fatores diferentes. Em um estudo que foi apresentado fotos de familiares, pessoas negras admiradas e indivíduos brancos, houve uma mudança na ativação da amigdala na apresentação de estímulos de raças de outros grupos. Ou seja, houve uma diminuição da ativação da amigdala quando apresentados em membros do outgroup. Esses achados implicam na exposição a contra estereótipos/faces familiares podem diminuir a presença do preconceito.
Um dos objetivos do artigo foi entender quais os processos cerebrais e como os circuitos neurais estão implicados na emoção e no processamento cognitivo que podem estar envolvidos na identificação, avaliação dos grupos e a expressão do comportamento. Outros estudos devem estar presentes no sentido de entender como a raça pode influenciar a tomada de decisão.
Os avanços na área de neurociências permitem entender melhor o comportamento. Ao analisarmos algo complexo e multideterminado como é o nosso comportamento não podemos deixar de levar em conta aspectos biológicos e também sociais. A integração de ambos os estímulos iram provavelmente oferecer as melhores respostas sobre o nosso comportamento. A negação ou preponderância de qualquer uma dessas questões, acredito que irá diminuir e limitar o nosso entendimento sobre o comportamento. A medida que entendermos cada vez mais comportamentos sociais mais que também tem influencias biológicas (vice-versa) iram surgir novas questões que deverão ser respondidas e se tornaram naturalmente cada vez mais complexas.

Referência: Kubota, J. T., Banaji, M. R., Phelps, E. A. (2012) The Neuroscience of race. Nature Neurosciense, 15(7), 940-948.

Resenha: Aparência física e amizade íntima na adolescência – Estudo no contexto pré-universitário

Aline Almeida


O presente artigo tem como autor Raul A. Cordeiro e foi publicado no ano de 2006, através do Instituto Politécnico de Portalegre em Portugal. O autor inicia o artigo, trazendo alguns conceitos importantes como o de intimidade, e como esta, está relacionada com a amizade no período da adolescência. Neste sentido, Cordeiro destaca oito dimensões nas quais estes conceitos podem ser estruturados. São elas: Sinceridade e Espontaneidade; Sensibilidade e Conhecimento; Vinculação; Exclusividade; Dádiva e Partilha; Imposição; Actividades Comuns; Confiança e Lealdade.
O autor justifica o fato de relacionar a amizade com a aparência física, pelo fato de que é no período da adolescência em que há grandes mudanças corporais, afirmação do auto-conceito e estabelecimento de pares. Desta forma, neste período qualquer vinculação que o indivíduo passa, perpassa a avaliação corpórea se sí e do outro. Ele destaca ainda o status cultural concedido ao corpo, como instrumento de poder, e do quanto este conceito é construído durante toda a adolescência.
Um fato que pode-se acrescentar á discussão é o de a cultura brasileira, especificamente a baiana, cada vez mais incita a criança e o adolescente a desenvolver de forma cada vez mais precoce a sexualidade. É visto de forma cada vez mais maciça, um excesso de estímulo por meio de músicas, vestuário e da mídia, o que torna o culto á aparência física e a necessidade de intimidade sexual cada vez mais precoce. Com isso, deve-se observar as diferenças de cultura entre Portugal, local onde o estudo foi realizado, e o Brasil. Pode-se inferir, que possivelmente, os dados caso o estudo fosse realizado aqui no país, seriam diferentes.
O estudo tem como objetivo geral, analisar a relação entre a percepção sobre a aparência física e as relações de amizade íntima na adolescência. Para tanto, antes que os dados fossem recolhidos, algumas hipóteses foram formuladas. A principal delas diz respeito á suposição de que a percepção que os adolescentes têm da sua aparência física, influencia a forma como estabelecem relações íntimas de amizade. Esta formulação se deve, segundo o autor, a estudos realizados anteriormente que relatam a percepção sobre a aparência física é de suma importância para a construção da identidade do indivíduo e por consequência, papel fundamental para o estabelecimento de relações amizade íntima.
O estudo foi realizado com 318 adolescentes que estudavam em duas escolas secundárias, sendo estes divididos entre o sexo feminino e masculino. Para tanto foram aplicadas três escalas, são elas: Escala de Amizade Íntima, Escala de Percepção de Auto-Conceito e Notação Social da família, entre outras variáveis que o autor não descreve.
Entre os principais resultados obtidos, pode-se destacar que os dados que referem-se á amizade íntima são mais altos no sexo feminino do que no sexo oposto. Uma hipótese colocada frente a esse dado, é o de que como as meninas tem uma definição mais precoce acerca do sua identidade, o que facilita o seu posicionamento e entendimento do seu papel nas relações sociais, especificamente de amizade.
Outro resultado interessante é o de que no sexo masculino as respostas que predominaram quanto á amizade íntima foi o de Actividades comuns, enquanto no sexo feminino, as meninas valorizam mais outras características da amizade íntima. Um dado que pode ser relacionado com este resultado, é o de que os meninos alcançam de forma tardia a maturidade exigida para a manutenção de amizade íntima, o que confere a este indivíduo, recorrentes aproximações a seus pares através de atividades e gostos em comum.

Resenha: As novas formas de expressão do preconceito e do racismo

Jerry Kambale Musema

Neste artigo o autor propõe uma reflexão quanto às novas formas de expressão do preconceito e do racismo, constatando suas diferenciações, denominando-as como ‘novas expressões’ de preconceito e racismo, pontuando conceitualmente o racismo moderno e simbólico da Austrália e dos EUA, os racismos aversivos e ambivalentes no EUA, juntamente com o preconceito sutil da Europa e o racismo cordial do Brasil, esclarecendo o diferencial entre preconceito e racismo.
O preconceito contemporâneo é visto como uma atitude invasiva étnica que pode ser dirigida a um grupo como um todo ou a um indivíduo, por fazer parte de um determinado grupo com suas peculiaridades tanto físicas quantas fenotípicas. O racismo por outro lado é fruto de uma discriminação étnica representada pela cor da pele ou uma marca física rotulado como diferente, sendo ampliado para a exclusão hierárquica social, ficando explicito que o racismo é uma distinção biológica entre grupos e o preconceito é a atitude excludente que pode sofrer o individuo tanto institucionalmente quanto culturalmente. O preconceito é a forma verbal do racismo, isto é, o preconceito se resume como uma atitude sendo uma consequência restringindo-se em ato/ação, enquanto o racismo constitui em discriminação étnica racial juntamente a exclusão social.
As novas formas de expressão do preconceito e do racismo são mostradas através de dados quanto às mudanças históricas relacionados aos estereótipos, após a 2ª guerra mundial é perceptível um preconceito, mas leve e um racismo acobertado devido aos movimentos pelos direitos civis nos EUA, Declaração dos Direitos Humanos entre outras atitudes raciais, evidenciando transformações quanto a uma nova demonstração de racismo e preconceito referente ao comportamento discriminatório habitual das pessoas e nas suas relações interpessoais. Revelando que estamos muito longe da igualdade racial e social.
O conceito de racismo simbólico se baseia em um sentimento de intimidação, contra os negros, quanto os mesmos representarem uma ameaça aos valores éticos, sociais, culturais e econômicos, contestando os valores do grupo dominante, atingindo desta forma o status quo. O conceito de racismo moderno é apresentado como uma forma oculta de racismo, não transparecendo socialmente, sendo encoberto por expressões antirracistas. Sendo assim, é perceptível que os dois conceitos de racismo têm a mesma base, quanto à ameaça do negro aos valores ditos como importantes pelos brancos, visto que a sua afirmação é crescente, mediante preconceitos e discriminação.
O conceito de racismo aversivo constitui em mostrar a ambiguidade dos valores éticos, democráticos e antirracistas dos brancos americanos, quando os mesmos que defendem a igualdade democrática são defrontados com situações inter-racial em que os brancos tem que justiçar a discriminação, esses discriminam os negros. Os racistas não incluem os negros como seres cidadãos, portanto não estão no rol daqueles que tem direito a democracia. Em uma análise psicanalista e etiológica é notório que o racista dominante se esconde por trás de um discurso vazio não racista que contribui para o desenvolvimento de estereótipos e preconceitos.
O conceito de racismo ambivalente ressalta os pressupostos do racismo aversivo, pois ambos procuram mostrar a sociedade uma imagem democrática não preconceituosa, entretanto na visão psicanalítica existe dois tipos de atitudes o pró e anti negros. As atitudes anti negros tem uma percepção e sentimentos negativos aos negros, quanto a sua cultura, demonstrando aversão a qualquer tipo de afeto ou sentimento. Enquanto as atitudes pró-negros produzem um afeto exacerbado como demonstração de não discriminação aos negros, na tentativa de encobertar seus verdadeiros sentimentos.
O preconceito sutil é estudado na Europa, proveniente do preconceito direcionado a uma pequena cultura de antigas ex-colônias, surgindo assim uma nova expressão de preconceito, esse não somente atingi aos negros como também grupos exógenos ou externos, esse preconceito se fundamenta em três dimensões, a primeira está relacionado a valores tradicionais e crenças, a segunda enfatiza o exagero das diferenças e dos seus estereótipos e por último a negação e a rejeição do exogrupo. Diferentemente do preconceito flagrante, que se subdivide em duas dimensões que se baseiam em rejeições, a primeira diz respeito a um conceito de que o exogrupo apresenta uma ameaça a economia e o ultimo diz respeito a rejeição intima, em que eles não se relacionam emocionalmente, nem sexualmente com os integrantes do exogrupo.Sendo assim pode-se verificar que o preconceito flagrantes é mais direto e quente, ao passo que o preconceito sutil não se manifesta abertamente, sendo mais frio e indireto.
O racismo cordial tipicamente brasileiro, onde a maioria da população é birracial e se julgam não racistas, porém traz um preconceito “não intencional”, revestido de brincadeiras e zombarias, fortalecendo o mito racial e a teoria do embranquecimento, popularizando desta maneira o racismo de forma interpessoal contribuindo para a propagação e ridicularizando os estereótipos dos negros.
O autor traz contribuições teóricas, empíricas e conceituais, quanto a reflexões de novas formas de expressões de preconceito e racismo, afirmando que essas novas expressões devem ser estudadas e analisadas, pois elas aos serem expressas ou mesmo ocultas são formas de conscientizar-se para combatê-las.

Refêrencia: Estudos de Psicologia 2004, 9(3), 401 http://www.scielo.br/pdf/epsic/v9n3/a02v09n3.pdf

Resenha: Estilo de vida como indicador de saúde na velhice

Rose Luz Silva Perez


Após a revisão de pesquisa bibliográfica sobre o tema do envelhecimento, a autora discute sobre a importância do estilo de vida como fator determinante para a qualidade de vida na velhice. Tendo em vista o incremento acentuado do número de idosos na população adulta mundial, o tema torna-se relevante quando se discute sobre saúde coletiva e envelhecimento saudável.
Na sociedade contemporânea, a longevidade tem sido cada vez mais buscada como meta não apenas pela medicina, mas também pelos cidadãos. Porém, em contrapartida, na visão da autora, em função das imagens estereotipadas e/ou preconceituosas sobre os indivíduos idosos, não vem sendo realizado investimento compatível para o reengajamento funcional ou ocupacional destes após a aposentadoria, o que tende a trazer prejuízos para a saúde. Os insuficientes e inexpressivos estímulos socioculturais atrelados à dificuldade natural dos idosos de se adaptarem aos padrões vigentes da sociedade podem, sorrateiramente, fragilizar o sentido de pertencimento social e o de ser desejante.
O empobrecimento da qualidade de vida na velhice não encontra respaldo científico, sobretudo no primeiro terço da velhice. Por questões diversificadas, inúmeros idosos perdem o seu prazer de viver. O surgimento da geriatria como especialização dentro da área da medicina na década de 30 e o da gerontologia na década de 50, demonstram o status e a importância que vem sendo dada ao tema, já que envelhecer com saúde tornou-se um desafio primordial conforme preconiza a Organização Mundial de Saúde. A ciência vem acumulando uma diversidade considerável de saberes sobre o processo de envelhecimento, porém, as diferenças individuais, as quais são dependentes de eventos de origem psicológica, sócio-histórica e genético-biológica, revelam em si a dificuldade para homogeneizar um fenômeno por natureza complexo e heterogêneo.
A autora destaca o conceito de “Envelhecimento Ativo” definido como o processo de otimização de oportunidades para a saúde, sendo o bem-estar psicossocial uma de suas principais vertentes para a qualidade de vida. Neste sentido, deve ser estimulada a ampla participação do idoso nas esferas de construção de políticas públicas, na vida social e comunitária.

São destacadas algumas pesquisas que demonstram que o declínio das habilidades físicas e mentais não resulta somente do avanço da idade, mas também dos fatores socioculturais que contextualizam o idoso. Acerca dos fatores precipitantes de incapacidade funcional, é destacada a área cognitiva. A necessidade de estímulo para o constante uso desta área é descrito como fator preponderante para o quadro de saúde do idoso e manutenção da capacidade funcional do mesmo. Esta última tem como principais características a autonomia e a independência, considerados como fatores diferenciadores entre a senescência e a senilidade. Assim, é defendido que o estilo de vida seja considerado como indicador de saúde na velhice como forma de receber mais atenção e cuidado ao se pensar em prevenção ou promoção da saúde na senescência.

Referência: Figuereido, V. L. M. Estilo de vida como indicador de saúde na velhice. Ciência & Cognição, 04, 12, 156-164, 2007. 

Resenha: Representação social de crianças acerca do velho e do envelhecimento

Priscila Bahia

Nos tempos atuais, envelhecer não é mais privilégio de poucos países, consiste numa realidade populacional; estima-se inclusive que no Brasil, em 2020, o contingente será superior a 30 milhões de pessoas. E acompanhando a mudança no perfil populacional há alterações (ou não) nas imagens e representações desta faixa etária na sociedade. Percebe-se, na sociedade contemporânea, a coexistência de diversas imagens de velhos, estes como ativos e com capacidade para viver a sua vida plenamente; mas também como improdutivos, doentes, solitários e assexuados por exemplo.
As autoras, Ewellyne Suely de Lima Lopes e Margareth Brandini Park, objetivaram com o presente estudo investigar a representação social de um grupo de crianças, no total de 31, acerca do velho e do envelhecimento. Para tanto, utilizaram como metodologia desenho, entrevista semi-estruturada e brincadeira tematizada. A compreensão de como o velho e o envelhecimento são apreendidos e representados possibilita o entendimento de comportamentos e sentimentos para com esta faixa etária.
Os resultados mostraram que as crianças deram ênfase às características físicas (cabelos brancos, rugas, ausência de dentes, voz enfraquecida) como uma forma de reconhecer os velhos; as diferenças entre as imagens corpóreas possibilitam o reconhecimento da faixa etária de cada membro. Contudo houve relatos de relatividade destas características físicas, como uma pessoa ser velha e ter cabelos negros, sendo necessário recorrer a outro aspecto. As crianças também apresentaram a representação de velho associada à representação de avós, além de doenças, fragilidade, limitações/dependências físicas e morte. Porém as crianças também trouxeram imagens desta faixa etária como incluídos ativamente nas atividades e integrados à sociedade. Já quanto ao envelhecimento as crianças o definiram como um ciclo ao qual estão todos sujeitos, inclusive eles.
A coexistência de distintas imagens sobre esta faixa etária, ora discurso de dependência física, ora discurso de sujeitos inclusos na sociedade, também se fez presente no estudo. Isto demonstra a diversidade de informações e relações estabelecidas com este grupo específico, conteúdos que servem como base para a construção das representações sociais. Entretanto fica a pergunta: diante de tamanha heterogeneidade, quais imagens sobressaem-se sobre as outras? Pois lembremos que, ao pensar em um grupo, possivelmente os aspectos negativos chegam primeiro.

Referência: Lopes, E. S. L.; Park, M. B. (2007). Representação social de crianças acerca do velho e do envelhecimento. Estudos de Psicologia, 12(2), 141-148.
Disponível em: <http:www.scielo.br/pdf/epsici/v12n2/a06v12n2.pdf>

Resenha: Normas sociais e preconceito: o impacto da igualdade e da competição no preconceito automático contra os negros

Gilcimar Santos Dantas

O trabalho tem como objetivo investigar o quanto os valores relacionados à competição e à igualdade contribuem na expressão do preconceito automático contra negros. O estudo parte de uma perspectiva conhecida como processos duais ou automatismo e controle, que afirma que existem dois tipos de cognição. Uma que se manifesta de modo controlado, através de uma estrutura evolutivamente mais recente, que ocorre de modo mais lento, que requer esforço e que se caracteriza por ser mais analítica. Já a segunda ocorre de modo automático, decorrente de uma estrutura evolutivamente mais primitiva, que ocorre sem esforço, de maneira rápida e inconsciente, disparada a partir de características superficiais do alvo e que possui maiores relações com o preconceito. Este último tipo de cognição, quando ocorre, se torna difícil de controlar podendo influenciar as atitudes e os comportamentos subsequentes. Boa parte dos estudos sobre este tema costuma estudar os fenômenos intrapsíquicos subjacentes à expressão do preconceito automático. Entretanto, o presente estudo busca investigar o papel das normas sociais na expressão do preconceito automático contra negros. Para isso, foi utilizado o Teste de Atitudes Implícitas (IAT), que apresenta, em milésimos de segundo, faces de pessoas negras e palavras tanto de conteúdo negativo quanto positivo, assim como faces de pessoas brancas e palavras tanto de conteúdo negativo quanto positivo. O participante precisa fazer o mais rápido possível a associação destas faces com essas palavras e quanto mais alta for a associação entre faces negras e conteúdos negativos e faces brancas e conteúdos positivos, maior a expressão do preconceito automático. Para verificar o impacto dos valores relacionados á competição e à igualdade, os autores realizaram três estudos.

No primeiro estudo, 35 participantes foram alocados em três condições experimentais, sendo que na primeira os participantes eram requeridos a pensarem em argumentos sobre a igualdade formal e escreverem sobre eles. No segundo, os participantes eram solicitados a pensarem e escreverem argumentos sobre meritocracia competitiva e no terceiro (o grupo controle) era requerido que os participantes pensassem e escrevessem sobre vida extraterrestre. Após este momento os participantes respondiam ao IAT e o objetivo dos pesquisadores era saber se a expressão do preconceito implícito sofria influência dos contextos aos quais os grupos foram alocados. Os resultados demonstraram uma maior expressão do preconceito contra negros entre os participantes alocados no contexto de meritocracia competitiva, uma menor expressão (mas inda existente) do preconceito contra negros entre os participantes alocados no contexto igualitário e uma expressão ainda menor (mas ainda presente) do preconceito contra negros entre os participantes alocados no grupo controle.

No segundo estudo, o objetivo foi saber os sentidos da igualdade por parte dos participantes. Para isto um novo grupo de 35 participantes foi convidado a responder à pergunta: “Para você, o que é igualdade”? O primeiro sentido foi formado por respostas em termos de “igualdade de direitos e deveres” enquanto que os demais tipos de expressão de igualdade foram “solidariedade”, “não preconceito”, “igualdade como cidadania” e “igualdade como respeito às diferenças”. Estes resultados levaram à conclusão de que existem diferentes formas de perceber a igualdade, o que levou ao terceiro estudo que tinha como objetivo saber se argumentos da percepção de igualdade, decorrentes das respostas do segundo estudo, anulariam a expressão do preconceito contra negros no IAT.

No terceiro estudo, foram criados mais três grupos, que totalizaram um número de 35 participantes. O primeiro grupo foi solicitado a pensar e escrever argumentos referentes à competição individualista (como no primeiro estudo), o segundo foi solicitado, também, a pensar e a escrever argumentos referentes à igualdade solidária (decorrente dos argumentos dos participantes do segundo estudo), enquanto que foi requerido ao terceiro grupo a pensar e a escrever argumentos a respeito da igualdade formal (a mesma do primeiro estudo). Assim como no primeiro estudo, os participantes foram submetidos ao IAT e o objetivo dos pesquisadores foi o mesmo do primeiro estudo. Os resultados deste terceiro estudo mostraram que o contexto da meritocracia competitiva produziu grande ativação de preconceito automático contra negros, enquanto que no contexto de igualdade formal (apesar de ainda existir), o preconceito automático contra negros foi menor e no contexto de igualdade solidária este preconceito não se manifestou.

Os resultados destes estudos sugerem que apesar de muitos indivíduos se mostrarem favoráveis a atitudes não preconceituosas, tais atitudes podem não ser tão significativas assim, a ponto de impedirem a manifestação do preconceito implícito. A realização de estudos nesta abordagem parece ser muito importante no contexto brasileiro que, ao contrário de alguns países, possui um longo histórico de expressão de preconceito implícito contra indivíduos negros. Um outro ponto importante, apresentado nestes estudos é que a expressão do preconceito contra negros foi intensificada no contexto da meritocracia competitiva, assim como foi amenizada no contexto de igualdade formal e anulada no contexto da igualdade solidária sem que os participantes tivessem consciência. Estes dados trazem à discussão o paradigma do agente racional que afirma que a tomada de consciência é suficiente para uma revisão e, por sua vez, uma mudança das atitudes preconceituosas. Isto sugere o quanto pode ser difícil controlar preconceitos automatizados e que para muda-los não se depende apenas de uma tomada de consciência, mas também de determinadas estratégias de redução do preconceito.

Referência: Lima, M., E., O., Machado, C., Ávila, J., Lima, C. & Vala, J. (2005). Normas sociais e preconceito: o impacto da igualdade e da competição no preconceito automático contra os negros. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19, 2, 309-319.

Valores psicossociais e orientação à dominância social: um estudo acerca do preconceito

Márcia Deocleciano

Valores psicossociais e orientação à dominância social: um estudo acerca do preconceito” Psicologia: Reflexão e Crítica, 20 (3), 490-498, Porto Alegre 2007, dos pesquisadores Sheyla Fernandes, Joseli Da Costa, Leoncio Camino e Roberto Mendoza traz um estudo cujo objetivo foi analisar as relações existentes entre o preconceito, através da orientação à dominância social, e os valores psicossociais, a partir de quatro sistemas: o religioso, o materialista, o pós-materialista e o hedonista, onde as considerações apresentadas tem o preconceito como resultado das construções ideológicas amplamente compartilhadas pelos grupos sociais. Os pesquisadores começam o presente trabalho visando abordar o preconceito e os valores de estudantes universitários de uma capital nordestina, traçando uma análise teórico-empírica em função das relações estabelecidas entre os níveis individuais de preconceito e a adesão aos sistemas de valores. Trouxe como considerações teóricas estudos desde 1954 «A natureza do preconceito», Allport a estudos recentes (Fernandes & Almeida, 2006; Lima & Vala, 2004a) onde apontam que as mudanças sociais ocorridas que visam à dissolução ou, pelo menos, a moderação das desigualdades sociais, não se mostram bem sucedidas.

Quanto ao método utilizado foi uma amostra composta por 205 estudantes universitários do curso de psicologia de duas universidades da cidade de João Pessoa, Paraíba, sendo 77,6 % de mulheres e 22,4 % de homens, com idade variando entre 16 e 30 anos (Média 21,5; Moda 20; DP 2,54). Destes 89,3% eram solteiros e 48,3% se dedicavam exclusivamente aos estudos. Os sujeitos foram escolhidos em função de sua presença nas salas de aula no momento da coleta de dados. Os questionários foram aplicados coletivamente mas respondendo individualmente.

Os resultados indicaram inicialmente que todos os sistemas de valores se apresentaram importantes para a construção de uma sociedade ideal, enquanto que a dominância social foi fortemente rejeitada pelos participantes deste estudo. Ainda acrescentam que a respeito deste resultado, duas pontuações se fazem pertinentes: a primeira se faz atuante desde o período que sucede a Segunda Grande Guerra, podendo ser explicada a partir dos princípios normativos de alguns países que coíbem qualquer tipo de discriminação (Lima, 2002), atenuando superficialmente os sentimentos negativos dirigidos aos grupos marginalizados. A segunda indica que os valores considerados importantes para uma sociedade adequadamente justa seguem o mesmo padrão imposto pelas ideologias políticas elaboradas socialmente (Da Costa, 2000; Lima, 1997; Lima & Camino, 1995; Pereira et al., 2001a) fazendo-se necessária uma nova pesquisa para enriquecer os estudos na esfera psicossociológica.

Resenha: O brasileiro, o racismo silencioso e a emancipação do afro-descendente

Márcia Deocleciano

O presente texto do pesquisador Ricardo Franklin Ferreira, da Universidade de São Marcos, publicado na revista psicologia e Sociedade; 69-86; Jan./Jun. 2002, tece comentários acerca de algumas condições históricas para o desenvolvimento do preconceito contra a população negra, que muitas vezes é difícil de ser compreendido e combatido em função de um mito que o nega. O mesmo afirma que existe mecanismos subliminares de encobertamento permeados por um aparente tratamento cordial, desenvolvendo a crença de que a discriminação étnico- racial não existe. Considerando assim que , ‘não temos de compreender o que não existe’.

Pesquisas apontam que o preconceito é sistematicamente considerado como atributo do “outro”. Os resultados da pesquisa Datafolha apontam que 89% dos brasileiros afirmam saber da existência do preconceito contra os brasileiros negros, mas somente 10% o admitem como seu.

No Brasil, o preconceito não é abertamente afirmado, dificultando a elaboração de leis que favoreçam sua reversão. A ideologia de que vivemos num país em que as diferenças são aceitas e valorizadas, ‘um verdadeiro exemplo para as outras nações’, encobre o problema. Em função disso, a população negra encontra-se submetida a um processo em que as condições de existência e o exercício de cidadania tornam-se muito mais precários com relação à população considerada branca. Em decorrência, a construção de uma identidade positivamente afirmada, requisito necessário para as pessoas se engajarem em políticas efetivas voltadas para a melhoria de suas condições sociais, torna-se um processo dificultado.

O autor aborda sobre a temática do preconceito silenciado e pra isso narra a experiência vividas de uma configuração familiar muito comum cuja mãe é branca o pai sendo negro, onde tiveram três filhos sendo estes consideradas com relação a cor da pele; as duas filhas morenas e o filho da cor da pele do pai considerado como sendo negro. Só depois que a família começou a participar de grupos de militância começaram a enxergar e aceitar que todos eram na verdade negros e não ´moreno claro ou moreno escuro`.

É muito comum tratar o afro-descendente como ‘moreno’, palavra fortemente enraizada na cultura brasileira. É um exemplo de uma situação que revela uma estratégia simbólica de fuga de uma realidade em que a discriminação impera constituída, conservando a incapacidade de desenvolver atitudes afirmativas quanto às especificidades raciais. Em função do processo de desvalorização da pessoa negra, os afrodescendentes tendem a introjetar a visão dominante de mundo branco, visto como superior. Em decorrência, tendem a desvalorizar o mundo negro ou assumirem como insignificante para suas vidas o fato de serem afrodescendentes.

O texto aponta três condições favoráveis ao desenvolvimento do preconceito e sua forma de expressão no Brasil sendo um terreno fértil a constituição do racismo silencioso: (a) uma concepção constitutiva das subjetividades ocidentais, desenvolvida na modernidade, que busca ordem, desvalorizando ou eliminando o ‘diferente’; (b) um processo histórico, legitimado por tal concepção, que levou à escravidão do africano e redução de sua condição a mero objeto de uso; (c) posteriormente, já após a Abolição, o desenvolvimento de concepções, apoiadas pela ciência, acerca da inferioridade racial do negro, a ponto de se ‘prever’ sua extinção na constituição do povo brasileiro.

É importante uma análise mais aprofundada dos grupos de militância negra, no sentido de criar mecanismos que evitem o problema apontado por Figueiredo (1995), num ensaio onde são analisados aspectos da identidade das pessoas que participam da militância como um modo de vida. Ele ressalta que o militante tende a desenvolver uma identidade apoiada em procedimentos de exclusão e vedamento que resultam na “repetição estéril do próprio terreno que pretendia transformar” (p.114), independentemente do contexto – político, religioso, científico, – e da direção – ‘revolucionária’, ‘conservadora’ ou ‘alternativa’ – em que a militância esteja sendo exercida. Tratando-se do desenvolvimento de uma identidade articulada em torno de características etno-raciais, o fechamento em torno importante a participação do afro-descendente em grupos de movimento negro, pois o militante tem a chance de recuperar os valores da cultura e da história africana. Através de um processo de reconstrução, pode revisar os valores introjetados e os estereótipos negativos assimilados durante o processo de socialização, com objetivo de favorecer, uma auto-estima mais positiva e relacionamentos harmoniosos no âmbito sócio-cultural mais amplo.

Cabe aqui a proposta de um amplo debate, em termos educacionais, sobre o preconceito, as práticas discriminatórias e maneiras de superá-los, pois a escola é um núcleo estruturante formador de futuros adultos. Além disso, creio ser uma importante contribuição a educação formal enfatizar as nossas raízes nos currículos e reconstruir a história do processo de formação do povo brasileiro, não mais sob a ótica branca oficial, mas com uma visão mais abrangente. Também a participação em grupos de militância, sejam eles voltados para valores religiosos, como o Candomblé, com objetivos políticos ou culturais, pode favorecer um processo de reconstrução pessoal junto a interlocutores que vivem a mesma problemática, através do exercício de revisão dos padrões negativos introjetados e da possibilidade de contato com dados da história omitida. A militância é um espaço onde a vergonha de ser negro pode transformar-se em orgulho de ser negro, onde o indivíduo passa a ter nova história, além de intensificar a luta, que já vinha desenvolvendo desde o início da escravidão, por sua afirmação.

Também na academia, o debate sobre tais questões deve ser ampliado. A psicologia brasileira pode e deve ter um papel fundamental para ajudar na compreensão de como os processos psicológicos para a compreensão mais ampliada da problemática do afro-descendente, principalmente frente às armadilhas que um discurso social e político, Concluindo, creio ser importante que a pessoa branca deixe de negar suas raízes culturais africanas e indígenas, assim como o negro brasileiro, sua raízes culturais européias e também indígenas. Portanto, esta é uma luta do brasileiro, seja ele negro ou branco, é uma luta do brasileiro que é, culturalmente, ‘negro e branco e índio’.

Referência: Ferreira, R. F. (2002). O brasileiro, o racismo silencioso e a emancipação do afro-descendente. Vol. 14 (1): 69-86.

Resenha: cognição, categorização, estereótipos e vida urbana

Leonardo Cardoso de Melo

Nesse artigo, o autor se propõe a explorar alguns aspectos envolvidos no processo de formação de representações categóricas e sua relação com julgamentos estereotipados por parte dos indivíduos que habitam grandes centros urbanos. Em sua opinião, o lócus de estudo se justifica em virtude da alta concentração populacional nas metrópoles elevar o grau de complexidade da compreensão do mundo que nos cerca.
Essa compreensão só é possível, segundo os teóricos da cognição, porque possuímos dois sistemas de aprendizagem: um que permite fazer representações de modelos de mundo relativamente constantes, bem como um segundo sistema que complementa o primeiro tornando-nos aptos a responder às mudanças frequentes e características dos espaços urbanos. Sem essa capacidade de categorização estenderíamos ao extremo os limites cognitivos a cada vez que necessitássemos identificar os esquemas de conhecimento sobre o mundo.
Dessa forma, seguimos enquadrando pessoas que acabamos de conhecer de acordo com “crenças gerais e antigas organizadas e armazenadas na memória”, o que só é possível devido a uma modalidade de pensamento dita categórica (p. 281). Nesse sentido, categoria seria a “totalidade de informações que os percebedores possuem na mente sobre uma classe particular de indivíduos” (Moskowitz, 2006, segundo Pereira, 2008, p. 281). O autor ilustra como esse processo de categorização se dá e é fundamental para a nossa orientação diária dando exemplos do cotidiano como quando vamos supermercado, onde encontramos tudo arrumado em seções que teriam um efeito análogo à categorização em nossa mente.
Logo em seguida, Pereira analisa como o pensamento categórico exerce influência sobre a representação social. Esse pensamento teria o papel de guiar a estrutura de conhecimentos acerca do processo de informação que compõem a representação social. Uma vez ativada, essa estrutura de conhecimentos permitem uma série de inferências que envolvem, principalmente, o julgamento e avaliações acerca dos membros de um grupo. Embora essas inferências sejam inerentes à cognição humana, e muitas vezes apropriadas, em boa parte dos casos, elas carregam julgamentos estereotipados como afirma o autor (p. 282). Entretanto o autor salienta que, a despeito da precisão envolvendo a correspondência entre as categorizações que fazemos e os eventos que realmente ocorrem no mundo físico, nossa espécie tem se adaptado relativamente bem ao ambiente, denotando o papel fundamental da categorização em sua sobrevivência por possibilitar que tratemos um “evento novo e inesperado em termos de crenças mais gerais e antigas” (p. 282).
O autor segue descrevendo como tudo que foi dito até agora pode ocorrer no cotidiano citadino. Situações em que podemos evidenciar tanto a confirmação dos estereótipos, bem como as suas controvérsias (p. 283), a exemplo da faxineira que possui o estereótipo de morar em bairro periférico, assim como uma possível contradição caso ela more no apartamento vizinho ao do patrão. Ele aponta que “podem ser encontradas na literatura indicações de que as representações estereotipadas se manifestam de forma menos intensa nos centros urbanos de maior tamanho” (p. 283). O que estaria por trás disso?
A literatura a respeito do tema indica que a vida urbana cria condições para aquisição de informações que muitas vezes põem em xeque concepções estereotipadas. Além disso, por propiciar a relação com as alteridades, algumas obviamente confirmam os estereótipos compartilhados sobre determinada categoria social, “enquanto outras se contrapõem a tudo que se ouviu falar sobre os membros daquele mesmo grupo social” (p. 284).
Entretanto o autor defende a tese de que não é a simples convivência em meio urbano e exposição a uma grande quantidade de informações que reduzirá os índices de estereotipização por parte dos indivíduos, é necessário que haja qualidade nas informações quem nascem do processo de interação social “nos quais são obtidas as informações necessárias para a realização dos julgamentos sociais” (p. 285). Essa qualidade não é privilégio dos grandes centros como ele bem lembra ao afirmar que “alguém pode habitar a maior metrópole do mundo e ser absolutamente desprovido de valores cosmopolitas, assim como pode viver na região mais inóspita e remota do planeta e acolher valores universais” (p. 285).
Por fim, um ponto crucial mencionado pelo autor acerca do processo de categorização merece destaque: nós construímos os fatos sociais e por isso não há realidade própria, já que toda nossa percepção é aprendida. Nesse sentido devemos tomar o cuidado de não extrapolar impondo princípios de uma “realidade social” para uma realidade física. Embora a formação de estereótipos seja algo inerente à condição humana é preciso atentar para esse fato se quisermos evitar preconceitos. Cabe sempre nos perguntarmos se o que penso sobre a realidade é como ela se apresenta, ou é o que desejo que ela seja.

Referências:

Pereira, M. E. Cognição, categorização, estereótipos e vida urbana. Ciências & Cognição: 13, 5, 280-287, 2008. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/pdf/v13_3/m318280.pdf