Resenha: Representação social de crianças acerca do velho e do envelhecimento

Priscila Bahia

Nos tempos atuais, envelhecer não é mais privilégio de poucos países, consiste numa realidade populacional; estima-se inclusive que no Brasil, em 2020, o contingente será superior a 30 milhões de pessoas. E acompanhando a mudança no perfil populacional há alterações (ou não) nas imagens e representações desta faixa etária na sociedade. Percebe-se, na sociedade contemporânea, a coexistência de diversas imagens de velhos, estes como ativos e com capacidade para viver a sua vida plenamente; mas também como improdutivos, doentes, solitários e assexuados por exemplo.
As autoras, Ewellyne Suely de Lima Lopes e Margareth Brandini Park, objetivaram com o presente estudo investigar a representação social de um grupo de crianças, no total de 31, acerca do velho e do envelhecimento. Para tanto, utilizaram como metodologia desenho, entrevista semi-estruturada e brincadeira tematizada. A compreensão de como o velho e o envelhecimento são apreendidos e representados possibilita o entendimento de comportamentos e sentimentos para com esta faixa etária.
Os resultados mostraram que as crianças deram ênfase às características físicas (cabelos brancos, rugas, ausência de dentes, voz enfraquecida) como uma forma de reconhecer os velhos; as diferenças entre as imagens corpóreas possibilitam o reconhecimento da faixa etária de cada membro. Contudo houve relatos de relatividade destas características físicas, como uma pessoa ser velha e ter cabelos negros, sendo necessário recorrer a outro aspecto. As crianças também apresentaram a representação de velho associada à representação de avós, além de doenças, fragilidade, limitações/dependências físicas e morte. Porém as crianças também trouxeram imagens desta faixa etária como incluídos ativamente nas atividades e integrados à sociedade. Já quanto ao envelhecimento as crianças o definiram como um ciclo ao qual estão todos sujeitos, inclusive eles.
A coexistência de distintas imagens sobre esta faixa etária, ora discurso de dependência física, ora discurso de sujeitos inclusos na sociedade, também se fez presente no estudo. Isto demonstra a diversidade de informações e relações estabelecidas com este grupo específico, conteúdos que servem como base para a construção das representações sociais. Entretanto fica a pergunta: diante de tamanha heterogeneidade, quais imagens sobressaem-se sobre as outras? Pois lembremos que, ao pensar em um grupo, possivelmente os aspectos negativos chegam primeiro.

Referência: Lopes, E. S. L.; Park, M. B. (2007). Representação social de crianças acerca do velho e do envelhecimento. Estudos de Psicologia, 12(2), 141-148.
Disponível em: <http:www.scielo.br/pdf/epsici/v12n2/a06v12n2.pdf>

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s