Resenha: estilo de vida como indicador de saúde na velhice

Janaína Alvarez

O artigo de Vera Lygia Menezes Figueiredo tem com objetivo explorar o tema envelhecimento saudável e quais fatores podem influenciar na qualidade de vida dos idosos, dentre eles o estilo de vida como importante indicador de saúde.
Para muitos velhice é sinônimo de aposentadoria, na qual os adultos saem do cenário social, principalmente nas sociedades modernas industrializadas que objetivam funcionalidade. Mesmo com o aumento do número de idosos e da expectativa de vida, ainda há um atraso em possibilitar altenativas de ocupação desses idosos, que possuem estereótipos e preconceitos sobre se isso seria possível, o que contribui para que eles sintam-se inativos diante das gerações atuais, e com tempo ele pode se enxegar desvinculado da sociedade, sem compreender-se como pertecente socialmente.
Diante disso, há idosos que se isolam ou permitem que exista um isolamento social, outros vivem bem, mas com uma rotina bem estruturada que não permite muita estimulação cognitiva, e ainda aqueles que por desajustamentos psicológicos diversos vivem sob uma qualidade de vida abaixo do esperado. Em todos esses estilos de vidas citados, existem características comuns como uso deficitário das funções cognitivas, retração da expressividade emocional, e redução das trocas relacionais e com o meio.
Só a partir da virada do século XX que começou o interesse pelo estudo dos fenômenos do envelhecimento, diante da projeção de aumento dessa população específica nos Estados Unidos e outros países da Europa. Após reduzirem taxas como da mortalidade infantil, mortalidade materna, e da mortalidade por doenças crônicas, a expectativa de vida da crescente população idosa requer atenção, até porque é um consenso no meio científico que a expectativa de vida é um dos indicadores mais importantes de saúde. Contudo, disciplinas médicas como geriatria e gerontologia surgem na década de 30 e 50, respectivamente, e seus estudos com outros campos, até mesmo interdisciplinares possibilitam estudos enriquecedores.
O crescimento da população idosa no mundo já é um fenômeno, e com isso, torna-se o maior desafio desse século o envelhecer com saúde. As pesquisam já demonstram possibilidades, mas ainda encontram barreiras nas diferenças individuais cercadas de peculiaridades que dificultam conceituar de modo homogêneo.
A Organização das Nações Unidas (ONU) redefine o conceito de saúde em 1947 como um estado de completo bem-estar físico, psíquico e social, mas a Organização Mundial de Saúde (OMS) em 1994 traz esse conceito como a busca de uma qualidade de vida. Ampliando-se o conceito de saúde, os idosos deixam de ser passivos para serem chamados a um engajamento ativo pela promoção da saúde, sobretudo acompanhada de direitos.
Com o envelhecimento há a senescência, que é a condição daquele que está envelhecendo, já senelidade para o envelhecimento patológico. Dentre os fatores precipitantes de incapacidade funcional destaca-se a área cognitiva, como por exemplo, perda de memória, que por conta das diferenças individuais novamente há uma dificuldade em classificar os déficits principalmente nesses casos. Diante desses impecilhos, o mais importante não é impedir o declínio funcional biológico, muitas vezes esperado, mas providenciar alternativas que ajude na preservação da capacidade funcional para se ter uma velhice saudável.
Dessa forma, o estilo de vida vai impactar na saúde na velhice, por isso a importância de observar além das demências e patologias típicas dessa fase, mas também a relação desses idosos com o mundo, pois algumas fragilidades dizem respeito ao biológico, mas outras ao ambiente externo. Para promoção e prevenção da saúde o estilo de vida deve ser considerado dentre outros indicadores, pois através dele o indivíduo vai entender suas limitações e enxergar possibilidades de adaptações para responder aos desafios impostos no dia-a-dia.
Referência bibliográfica: Figuereido, V. L. M. Estilo de vida como indicador de saúde na velhice. Ciência & Cognição, 04, 12, 156-164, 2007

Resenha: O saber e a prevenção no trabalho e na vida: representações de profissionais de saúde que trabalham com HIV / AIDS

Cecília Alves

O objetivo dos autores com esta pesquisa é investigar e compreender as representações dos profissionais de saúde que trabalham com a doença sobre “sua prática profissional, buscando investigar como e em que medida o saber sobre AIDS e a prática profissional provocaram repercussões no seu comportamento sexual” (Andrade e Tanaka, 2002).

Como início de discussão, os autores ressaltam que desde o início dos anos 90 a AIDS, que rapidamente se tornou uma epidemia, vem preocupando no que diz respeito à descoberta da sua cura. Em virtude disso, indicam que a recomendação da OMS (1990 apud Andrade e Tanaka, 2002), que a medida prioritária de erradicação desta seria o uso do preservativo, acaba por contradizer o que acontece na prática.
Os estudos mundiais realizados nesta área podem ser sintetizados por Smith (1998 apud Andrade e Tanaka, 2002) quando ele reconhece que “o conhecimento sobre AIDS leva a atitudes favoráveis à adoção do sexo seguro, mas isso não significa que tenham comportamento compatível com tais atitudes.”. É esse o contexto que irá servir de subsídio para os autores pensarem nos profissionais de saúde que trabalham com HIV/AIDS, pois constituem uma população detentora de um conhecimento diferenciado sobre a doença e que se depara com os números crescentes de casos.
A pesquisa foi realizada nos Serviços Ambulatoriais Especializados em HIV/AIDS no Mato Grosso do Sul em virtude do atendimento especializado à doença, o que não ocorre em outros ambulatórios e hospitais da área. Os autores optaram por realizar a pesquisa com: 3 médicos, 3 enfermeiros (representando os vínculos de proximidade corporal e manipulação de fluidos biológicos) e 3 psicólogos e 3 assistentes sociais (representando o vínculo essencialmente verbal). Os instrumentos utilizados foram entrevistas individuais semiestruturadas contendo dois blocos distintos: história profissional em relação à AIDS e representações em relação ao saber e a prática profissional.
Em relação ao trabalho com Aids, foi visto que a entrada desses profissionais no ambulatório se deu por convite ou oferta do cargo para pessoas que já tinham experiência prévia com doenças sexualmente transmissíveis ou apresentavam um perfil típico de quem gosta de desafios. Em relação à inserção no Serviço, a análise das conversas com as Psicólogas e Assistentes Sociais demonstra que esse trabalho tem um aspecto diferenciador em relação à morte devido à incurabilidade da doença, porém apesar disso pode-se perceber a satisfação dos profissionais e dos próprios usuários.
A questão do sofrimento também vai ser abordada no tópico seguinte: “O Significado de Trabalhar com Aids”, quando os profissionais colocam a questão do limite entre o papel profissional e os sentimentos e emoções pessoais, ressaltando a frustração do trabalho e o sofrimento dos pacientes que também é vivido por eles. A partir dos relatos pode-se perceber alguns pontos de confluência, como a questão da perda da onipotência em relação à doença, a Aids como uma lição de vida, o trabalho em equipe como um fator diferenciador e, também, a paixão e o envolvimento com os pacientes que extrapolam os limites do âmbito profissional restrito.
No tópico “Risco Profissional e Risco Pessoal” percebe-se a partir das falas dos profissionais que não há uma distinção entre as representações de profissionais que manipulam fluidos biológicos (médicos e enfermeiros) e dos profissionais que estabelecem relações verbais (psicólogos e assistentes sociais). Os dois grupos compreendem que há riscos, mas se sentem protegidos no ambiente de trabalho. No que tange a vida pessoal também pensam estar protegidos por se tratar de uma relação estável.
O último tópico retrata o como e o porquê o “Saber e a Prática” interferem no comportamento sexual destes. Pelos discursos apresentados vê-se que o fato de ter conhecimento não favorece a proteção, porém:
“uma vez conhecendo as formas de transmissão do HIV, trata-se de uma questão racional evitar ser atingido pelo vírus. Adoecer não é mais uma questão do destino, das contingências que podem escapar ao controle, mas algo que pode ser prevenido a partir de escolhas intencionais baseadas em ações racionais bem informadas” (Castiel 1998 citado por Andrade e Tanaka, 2002).
Quando perguntados sobre o porquê do saber e a prática não se mesclarem no que tange a vida pessoal de cada sujeito, os sujeitos apresentaram argumentações frágeis, que não se sustentam. Muitas das respostas envolvem a questão da confiança no relacionamento e que o uso do preservativo implica a desconfiança com o outro, seja da sua saúde ou sua vida sexual. Uma das falas destaca ainda, que o uso deste acarretaria trazer para a relação real um risco que é irreal e que está muito longe. Os autores trazem, posteriormente, uma análise desse discurso, mostrando que ele está intrinsecamente enraizado por fatores culturais e moldado socialmente.
Além disso, nos depoimentos femininos também há a questão do poder do homem, já que elas esperam que ele use preservativo com as outras, caso haja traição, e não se sentem a vontade para levar essa questão na sua relação mesmo quando há a desconfiança da monogamia. Ou seja, em se tratando da Aids, os profissionais se colocam como seus pacientes, havendo apenas uma:
“possibilidade futura, talvez remota e colocam-se numa posição que os torna imunes ao que mais temem: a destruição do relacionamento, que é real e se sustenta na confiança.”. (Andrade e Tanaka, 2002).
Por fim, os autores concluem que, de fato, o discurso e a prática profissional são diferentes do que se aplica à vida sexual dos profissionais de saúde e que este saber sobre a AIDS localiza-se de forma objetivada. Destacam que a prevenção só se dá no âmbito profissional, sendo estes apenas pessoas comuns ao saírem desse ambiente.

Referência: Andrade, S. e Tanaka, O. O saber e a prevenção no trabalho e na vida: representações de profissionais de saúde que trabalham com HIV/ Aids. Psicologia Ciência e Profissão, 2002, 22, 2, 60-69.

Resenha: Estilo de vida como indicador de saúde na velhice.

Juliana Amorim de Souza

O artigo inicia falando sobre um novo fenômeno social: a saída do indivíduo produtivo para a aposentadoria, que o torna ao mesmo tempo idoso. Esse fenômeno possui diversas implicações, tendo como principal a imagem preconceituosa e estereotipada que se faz do velho, como um sujeito inútil a sociedade que não produz e tem que ser mantido pelos mais jovens. Além das implicações sociais, existem as implicações psicológicas que vão desde uso deficitário das funções cognitivas até a redução de trocas relacionais e com o meio. Com isso, o idoso é um ser indesejável na sociedade.
Trazendo um aparato histórico, o artigo abortará a história da Geriatria e suas evoluções. O conceito de velhice irá se modificar ao longo das décadas e hoje é relacionada com longevidade. Com os avanços dessa ciência, a expectativa de vida tem aumentado gradualmente, e nos últimos anos, elevado rapidamente. Segundo dados de Paschoal (apud Papaleo Netto, 1996), a expectativa média de vida da população mundial está em torno de oitenta e cinco anos. Viver com saúde tornou um desafio para a Organização Mundial de Saúde (OMS). O que o artigo traz, no entanto, é que as diferenças individuais sofrem dificuldades para se conceituar de modo homogênio, diferentemente do que acontecem nos conceitos de idoso, velhice e produção do envelhecimento humano. Essa afirmação é confirmada quando se avalia os eventos de origem psicológica e social, onde a história pessoal do indivíduo é um definidor para os suas atitudes e o seu encorajamento para essa nova fase da vida: a velhice. Surge assim, na Geriatria o conceito de ‘Envelhecimento Ativo’ que é o processo de aperfeiçoar oportunidades para a saúde, aliando bem estar físico com bem estar psicossocial. Essa aliança da saúde corporal com a saúde mental promove uma participação ativa do idoso na sua vida, promovendo também uma qualidade de vida elevada.
Conceitos de senescência e senilidade são apresentados no texto. A senilidade é o envelhecimento patológico, que leva a doenças crônicas e quadro neurodegenerativos graves, como a demência. Essas doenças do envelhecimento e o início de doenças crônicas podem ser prevenidos ou retardados (WHO,2002:35). Um dos fatores precipitantes da incapacidade funcional está relacionado com a área cognitiva. Estudos tentam traçar o perfil cognitivo do envelhecimento. A dificuldade de classificar os déficits cognitivos está principalmente quando se pesquisa a memória. As falhas mnêmicas, ou falhas de memória, são definidas como alterações funcionais genéricas quando não comprometem a autonomia e a independência de indivíduos idosos. No entanto, o artigo peca ao abordar os malefícios da perda de memória e como ela afeta a vida do indivíduo que com o tempo esquece até mesmo nome de pessoas próximas, como nos casos de pré-morbidez demencial.
O texto segue relacionando as falhas mnêmicas com o estilo da vida do idoso. Descartada a hipótese inicial de demência como causa da falha de memória, percebe que aspectos psicossociais e comunicionais (relação eu-mundo) podem ser a causa para a perda de memória. Observa-se, então, que os declínios no funcionamento cognitivo são disparados pelo desuso, enfermidades, fatores psicológicos e sociais mais do que o envelhecimento em si (Smits e colaboradores (1999)). Isso leva ao autor a uma conclusão oportuna: estilo de vida e cognição compartilham uma estreita relação: a redução da qualidade de um afeta diretamente a qualidade do outro.
O texto chega as suas conclusões finais trazendo que a qualidade de vida e promoção da saúde do idoso devem ser focalizadas na gerontologia. O geriatra precisa aliar o estilo de vida do idoso para ajudá-lo a enfrenta esse novo ciclo vital, onde há o envelhecimento do corpo, mas que a mente não precisa seguir o meu caminho. O que o autor não mencionou foi à ajuda também de outros profissionais para ajudar o idoso, como fisioterapeutas, enfermeiros e psicológico para que o idoso viva mais e melhor.

Referência: Figueiredo, V. L. M., Estilo de vida como indicador de saúde na velhice. Life style as health indicator on ageing. Programa Interdisciplinar de Geriatria e Gerontologia, Hospital Universitário Antônio Pedro (HUAP), Universidade Federal Fluminense (UFF), 2007, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.