Grupos de ódio na internet: rock na veia

Contribuição: Patrícia Carvalho

“A internet é um ambiente para todos os gostos e atividades. Se você precisa fazer uma pesquisa a respeito de detrminado assunto, ou pra passar o tempo mesmo, tem tudo o que se precisa pra tudo! Mas, como tudo que envolve a livre expressão, está passiva de abrigar perspectivas extremistas e preconceituosas.
No orkute, por exemplo,é possível encontrar comunidades que declaram ódio a diversos grupos sociais, de gays a pagodeiros.
Na comunidade acima “ero, ero eu odeio os pagodeiro”, com a decrição que se segue, estão postadas inúmeras idéias e provocações ao grupo dos pagodeiros.
“O mundo so sera perfeito quando o ultimo pagodeiro morrer enforcado com a corda de uma guitarra!!!
Essa comunidade foi feita para aqueles que odeiam o pagode.
ROCK NA VEIA”

http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=8538202

Estereótipos e rock’n’roll: No alto do castelo há uma linda princesa…

Contribuição: Marcus Vinicius Alves

Há algum tempo um texto vem sendo passado por e-mails e cooperativamente sendo construido por fãs do rock em suas mais variadas vertentes; no texto uma história como em um conto de fadas é iniciada e o seguimento até o desfecho se dá diferente em cada estilo do rock e do metal, ajudando a entender a forma estereotipada com que cada um é visto no meio do rock’n roll.

“No alto do castelo, há uma linda princesa – muito carente – que foi ali trancada, e é guardada por um grande e terrível dragão”…

HEAVY METAL:

O protagonista chega no castelo numa Harley Davidson, mata o dragão, enche a cara de cerveja com a princesa e depois transa com ela. Posteriormente se separam quando ela descobre que ele transou com uma groupie.

METAL MELÓDICO:

O protagonista chega no castelo num cavalo alado branco, escapa do dragão, salva a princesa, fogem para longe e fazem amor.

POWER METAL:

O protagonista chega brandindo sua espada e trava uma batalha gloriosa contra o dragão. O dragão sucumbe enquanto ele permanece em pé, banhado pelo sangue de seu inimigo, sinal de seu triunfo. Resgata a princesa. Esgota a paciência dela com auto-elogios e, caso ainda esteja acordada, transa com ela.

FOLK METAL:

O protagonista chega acompanhado de vários amigos e duendes tocando acordeon, alaúde, viola e outros instrumentos estranhos. Fazem o dragão dormir depois de tanto dançar, e vão embora, sem a princesa, pois a floresta está cheia de ninfas, elfas e fadas.

VIKING METAL:

O protagonista chega em um navio, mata o dragão com um machado, assa e come. Estupra a princesa, pilha o castelo e toca fogo em tudo antes de ir embora.

DEATH METAL:

O protagonista chega, mata o dragão, transa com a princesa, mata a princesa e vai embora.

BLACK METAL:

Chega de madrugada, dentro da neblina. Mata o dragão e empala em frente ao castelo. Sodomiza a princesa, a corta com uma faca e bebe o seu sangue em um ritual até matá-la. Depois descobre que ela não era mais virgem e a empala junto com o dragão.

WHITE METAL:

Chega no castelo, exorciza o dragão, converte a princesa e usa o castelo para sediar mais uma “Igreja Universal do Reino de Deus”.

NEW METAL:

Chega no castelo se achando o melhor de todos, dizendo o quanto é bom de briga. Quer provar para todos que também é o cara e é capaz de salvar a princesa. Acha que é capaz de vencer o dragão; perde feio e leva o maior cacete. O protagonista New Metal toma um prozak e vai gravar um disco “The Best Of”.

GRUNGE:

Chega drogado, escapa do dragão e encontra a princesa. Conta para ela sobre a sua infância triste. A princesa revela ser a sua mãe que o abandonou às drogas anos antes. O protagonista grunge sofre uma overdose de heroína.

ROCK N’ROLL CLÁSSICO:

Chega de moto fumando um baseado e oferece para o dragão, que logo fica seu amigo. Depois acampa com a princesa numa parte mais afastada do jardim – o dragão pede para não o ver mais por divergências musicais – e depois de muito sexo, drogas e rock n roll (com a princesa e o dragão, se ele aparecer), tem uma overdose de LSD, morrendo sufocado no próprio vômito.

PUNK ROCK:

Cospe no dragão, joga uma pedra nele e depois foge. Pixa o muro do castelo com um “A” de anarquia. Faz um moicano na princesa e depois abre uma barraquinha de fanzines no saguão do castelo.

EMOCORE:

Chega ao castelo e conta ao dragão o quanto gosta da princesa. O dragão fica com pena e o deixa passar. Após entrar no castelo ele descobre que a princesa fugiu com um outro protagonista qualquer. Escreve uma música de letra piegas contando como foi abandonado pela sua amada, como o mundo é injusto e como é melhor se matar.

PROGRESSIVO:

Chega, toca um solo virtuoso de guitarra de 26 minutos. O dragão se mata de tanto tédio. Chega até a princesa e toca outro solo que explora todas as técnicas de atonalismo em compassos ternários compostos aprendidas no último ano de conservatório.

HARD ROCK:

Chega em um conversível vermelho, com duas loiras e tomando Jack Daniel’s. Mata o dragão com uma faca e faz uma orgia com a princesa e as loiras.

HARDCORE

Chega de skate, organiza um protesto em frente ao castelo contra a ditadura dos dragões. Sobe na torre, transa com a princesa e grava um álbum com 25 faixas de 2 minutos cada descendo o pau no governo, finaliza com um mosh da torre mais alta.

GLAM ROCK:

Chega no castelo. O dragão rí tanto quando o vê que o deixa passar. Ele entra no castelo, rouba o hair dresser e o batom da princesa. Depois a convence a pintar o castelo de rosa e a fazer luzes nos cabelos.

GOTHIC METAL

Chega no castelo e monta uma banda com a princesa e o dragão fazendo vocais líricos e guturais respectivamente.

INDIE ROCK:

Entra pelos fundos do castelo. O dragão fica com pena de bater em um nerd franzino de óculos e deixa ele passar. A princesa não aguenta ouvir ele falando de moda e cinema, e foge com outro protagonista qualquer (ou um protagonista de axé).

NEW WAVE

Ao chegar no castelo mata o dragão e doa toda a sua carne às familias pobres da África. Canta “Age of Aquerious” de mãos dadas com a princesa.

Estereótipos e música: dancing in the moonlight

When i passed you in the doorway
You took me with a glance
I should have took that last bus home
But i asked you for a dance

Now we go steady to the pictures
I always get chocolate stains on my pants
My father he’s going crazy
Say’s i’m living in a trance

But i’m dancing in the moonlight
It’s caught me in its spotlight
It’s alright, alright
Dancing in the moonlight
On the long hot summer night

It’s three o’clock in the morning
And i’m on the streets again
I disobeyed another warning
I should have been in by ten

Now i won’t get out until sunday
I’ll have to say i stayed with friends
But it’s a habit worth forming
If it means to justify the end

Estereótipos, gênero e música: Ultraje a Rigor

Contribuição: Diogo Araújo

A banda de rock Ultraje a Rigor foi uma das protagonistas do chamado “Rock Brasil” dos anos 80, e consagrou-se pelo seu estilo irreverente, trazendo quase sempre nas letras uma maneira bastante “objetiva” de como os homens expressam seu interesse sexual pelas mulheres. Vemos um bom exemplo na música “Eu Gosto é de Mulher”, do álbum “Sexo!”, de 1987.

Mas parece que com o passar do tempo e o com o crescente estabelecimento das novas relações entre os gêneros, a trupe liderada por Roger Moreira também passou a se preocupar com os questionamentos que se abateram na classe masculina do final do século XX. A relativização de alguns atributos clássicos da masculinidade são abordadas em “Ah, Se Eu Fosse Homem…”, do álbum “Ô!”, de 1993.