Artigo publicado: The Importance of Implicit and Explicit Measures for Understanding Social Stigma

Título: The Importance of Implicit and Explicit Measures for Understanding Social Stigma

Autores: Leslie Ashburn-Nardo

Periódico: Journal of Social Issues, 66, 3, 508-520

Resumo: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1540-4560.2010.01659.x/abstract

Resenha: elementos de uma teoria leiga sobre os grupos: Tipos de grupo, estilos relacionais e a percepção de grupos entitativos

Rafael Oliveira

O artigo é uma descrição dos elementos de uma teoria implícta dos percebedores dos grupos. Essa descrição se estende além das pesquisas realizadas anteriormente. O conceito de teoria implícta baseia-se na noção de que as pessoas precisam dar sentido ao mundo naturalmente desorganizado e complexo. São usadas pelos psicólogos sociais num vasto escopo de domínios psicológicos. No artigo, é adotada a noção de que as pessoas invocam uma teoria implícita dos grupos que permite a elas montar informações a partir de uma cena e fazer inferências além daquelas observadas usando as teorias implícitas para fazer atribuições causais nos eventos. As teorias implícitas são entendidas então como invenções interpretativas que as pessoas usam para predizer, explicar e justificar eventos que ocorrem no mundo. Nesse sentido, a pesquisa relatada no artigo tem a pretensão de realçar critérios utilizados anteriormente em outras pesquisas e que parecem importantes para definir a teoria implícita dos grupos. Esses critérios são: as propriedades, as funções e os estilos de interação. As propriedades definem uma ontologia ou taxonomia na qual os grupos são percebidos como qualitativamente diferentes, são elas: tamanho do grupo; duração da existência do grupo; a extensão na qual os membros do grupo partilham metas e resultados; a importância do grupo para os membros; o grau de interação entre os membros; permeabilidade (facilidade na entrada e saída de membros do grupo); similaridade (Homogeneidade percebida).
Variedades de Grupos
Psicólogos sociais utilizam a palavra grupo para descrever um vasto escopo de entidades. Kurt Lewin (1948), sugeriu que alguns grupos são qualitativamente diferentes. No entanto poucas pesquisas examinaram como as pessoas pensam sobre, e que distinções fazem sobre os diversos grupos com que se deparam todos os dias. A pesquisa relatada vem justamente aprofundar-se nessa questão. A alegação para a pesquisa é que as pessoas podem ter teorias implícitas sobre como os grupos diferem em suas propriedades, funções e estilos de interação. Desta maneira, os autores, então, conduziram dois estudos para investigar as distinções que os percebedores fazem entre os grupos: as propriedades foram apresentadas para um grupo de 40 participantes e os grupos foram separados em clusters baseando-se nas propriedades similares; as classes de respostas dos participantes foram separadas em clusters. Os dois estudos conduziram a resultados similares indicando quatro tipos de clusters: grupos de intimidade; categorias sociais; grupos de tarefa; grupos fugazes. Neste sentido é postulada a existência de uma taxonomia implícita através da qual as pessoas organizam diferentemente a informação sobre uma pessoa dependendo do tipo de grupo que ela pertença. Os tipos de grupos tem certas propriedades a eles associadas.
Grupos de intimidade
São percebidos como tendo longa duração, pequenos em tamanho, impermeáveis, altos níveis de interação e de metas comuns, similaridade elevada entre os membros, importância elevada.
Categorias Sociais
São percebidos como tendo longa duração, baixa permeabilidade, grandes em tamanho, baixos níveis de interação e metas comuns, reduzida importância e similaridade entre os membros.
Grupos de Tarefa
São percebidos como tendo duração e permeabilidade moderada, pequenos em tamanho, interações e metas comuns moderadamente altas, similaridade e importância moderadamente altas.
Grupos fugazes
São percebidos como tendo alta permeabilidade e demais propriedades baixas.
Também foi examinada a relação das propriedades com a entitatividade: interação, metas comuns, importância e similaridade tiveram uma forte relação com a entitatividade enquanto as propriedades tamanho, duração e permeabilidade foram fracamente associadas com a entitatividade. Os grupos de intimidade foram os percebidos como tendo mais entitatividade seguidos pelos grupos de tarefa, categorias sociais e agregados. Outras variáveis como estilos relacionais são analisadas na pesquisa. No entanto, a principal contribuição da pesquisa para o estudo dos estereótipos é justamente a noção de uma variedade grupal, de um tipologia dos grupos, pois os estudos sobre estereótipos conduzidos até então se reportam exclusivamente as categorias sociais. Desta forma, novas pesquisas podem ser encaminhadas no sentido de questionar sobre a existência de estereótipos sobre grupos de intimidade, grupos de tarefas e os chamados agregados. Existe estereótipo sobre uma certa família ou um grupo de amigos? Existem estereótipos sobre trabalhadores numa linha de produção ou pessoas que estão esperando em um ponto de ônibus?
Hamilton, L.D. Lickel, B (2001). Elements of a lay theory of groups: types of groups, relational styles, and perception of groups entitativity. Personality and social psychology review. Vol 5, No 2, 129-140.