Estereótipos, regionalismos e cinema

Contribuição: Bernardo Follador e Elisa Maria Araújo

O trecho do filme “Lisbela e o Prisioneiro” ironiza o estereótipo do carioca esperto. Esta crença, certamente mais difundida entre os próprios cariocas, atribui aos habitantes do Rio de Janeiro características como sagacidade, lábia, carisma e malandragem e tem origem na imagem do bom malandro que freqüentava as boemias ruas da Lapa na primeira metade do século passado. No entanto, nem sempre, os estereótipos são consoantes com as reais características apresentadas pelo indivíduo, como exemplificado com o personagem carioca, no filme em destaque.