Resenha: Estereótipos e mulheres na cultura marroquina

Yasmin Oliveira

O artigo “Estereótipos e mulheres na cultura marroquina” de Fatima Sadiqi faz parte de um dossiê sobre a questão de gênero no Islã, da revista brasileira cadernos pagu. Tem como objetivo esclarecer o público de língua portuguesa e espanhola sobre a atual situação, no Marrocos, sobre o Islã a as relações de gênero.

Fatima Sadiqi, autora deste artigo é professora da Universidade de Fez, Marrocos. Ela apresenta os estereótipos sobre as mulheres e como estes são significativos na cultura local, que aplica representações poderosas para transmitir e sustentar tais estereótipos. No entanto, realça que as marroquinas não são receptoras e transmissoras passivas, elas utilizam estratégias para lutar contra tais estereótipos.

Segundo Sadiqi, os estereótipos, sobre as mulheres no Marrocos, podem ser definidos como crenças culturais incompletas e inexatas mantidas por algumas pessoas e que se encontram inscritos em expressões lingüísticas ou em discursos subliminares.

No país em questão, a importância peculiar destes estereótipos se dá porque a sociedade marroquina é extremamente reguladora e cria uma forte postura cultural que se manifesta nos modelos de pensamento e nas atitudes.

O artigo se encontra estruturado, didaticamente, em três sessões principais: os componentes principais da cultura marroquina; estereótipos e a relação de gênero na cultura; e reações das mulheres aos estereótipos negativos.

A apresentação inicial que ela faz sobre a cultura marroquina é essencial para o entendimento de como essas relações de gênero se dão e quais os estereótipos negativos ligados às mulheres marroquinas.

Ao delinear os componentes que constituem a cultura, Sadiqi, a partir de sua definição, explica que todas as culturas controlam seus membros diferindo apenas quanto ao grau de controle. O forte nível de controle exercido nesta cultura está, principalmente, ligado às instituições sociais descritas pela autora: história, geografia, Islã, oralidade, realidade multilíngüe, organização social, status econômico, e sistema político. Todas desempenham impacto direto na percepção de gênero e determinação de papéis.

Entre os componentes culturais mais importantes para a percepção de gênero dos marroquinos, está a geografia. O país encontra-se entre a África e a Europa. Essa aproximação com culturas diferentes tornou-o flexível: com uma tolerância religiosa, de uma heterogeneidade cultural e uma complexidade lingüística. Flexibilidade esta, que admite uma atitude mais positiva com relação às mudanças dos papéis relativos aos gêneros.

A política atual é um dos mais ilustrativos exemplos, de tolerância e até ambigüidade, trazidos por Sadiqi. O poder público, e conseqüentemente o ambiente político, são culturalmente de competência apenas dos homens. No entanto, a própria monarquia tem trabalhado insistentemente para a entrada das mulheres no ambiente político.

Fatores como a história nacional, que apresenta o ponto de vista patriarcal, de subordinação das mulheres, reforçam os estereótipos negativos. Assim como, a oralidade, típica da cultura marroquina, que devido à força e ao valor atribuído a fala e as expressões verbais locais, ajudam a perpetuar os papéis de gênero no país.

De acordo com o texto pode-se dizer que a linguagem é o fator essencial para o entendimento do processo de criação, estabelecimento e perpetuação dos estereótipos no Marrocos. Na cultura marroquina a fala possui um forte valor. Isso ocorre pois as línguas maternas, o berbere e o árabe marroquino, são tradições lingüísticas orais. Dessa forma o falado publicamente se iguala aos contratos escritos (valor da cultura ocidental). A oralidade é típica desta sociedade e é a forma mais comum de transmissão dos estereótipos sobre as mulheres.

As línguas faladas também estão associadas ao status social. As mulheres com baixo nível de educação e classe social falam, normalmente, apenas o berbere e/ou o árabe marroquino, dessa maneira são, na maioria dos casos, analfabetas e ainda mais alheias ao contexto político.

A relevância de estudar a cultura marroquina e seus conseqüentes estereótipos de gênero é poder traçar a evolução das relações de gênero no país. Apesar da heterogeneidade observável das mulheres marroquinas, elas fazem parte da mesma organização social, a que Sadiqi se propôs, exaustivamente, a explicar. E é na unidade primordial da sociedade – a família – que se inicia o processo de estereotipagem. Estes estereótipos construídos no nível familiar, vão sendo valorizados no contexto sócio-cultural, perpetuando-os.

Os estereótipos explícitos sobre as mulheres no Marrocos costumam reforçar os modelos de “boas mães” e “esposas”. Enquanto que os estereótipos implícitos são percebidos nos comportamentos e na fala e são extremamente danosos e permanentes. Ambos podem ser negativos ou positivos, ou ainda, ditos como “nocivos”, no sentido da pressão que fazem sobre as mulheres.

No entanto, as marroquinas reagem a estas crenças negativas. As estratégias de reação aos estereótipos variam de acordo com as variáveis sociais, como as de origem geográfica, de classe, nível de educação, estado civil, entre outras.

Segundo a autora, elas utilizam artifícios variados, como o uso de outros estereótipos, os chamados “contratipos”, que substituem os estereótipos negativos já existentes, assim com as, tentativas de grupos de defesa femininos que estão em processo de busca por modelos de mulheres bem sucedidas tanto na vida pública quanto na educação. O Marrocos é carregado de estereótipos negativos em relação às mulheres, a maioria deles difíceis de serem evitados devido à cultura local. E a primeira ação necessária para combatê-los, de acordo com Sadiqi, é torná-los conscientes.

Apesar de todas as dificuldades existentes, estratégias de reação aos estereótipos negativos estão sendo elaboradas. Assim como, o delineamento dos estereótipos que afetam as marroquinas. E como é possível observar pelo exemplo da própria autora do artigo – uma profissional renomada da Universidade de Fez – modelos estão aos poucos sendo erguidos.

Referências:
Sadiqi, F. Estereótipos e mulheres na cultura marroquina. Cadernos pagu (30), 11-32, 2008.
Harrak, F.;Aouad, O. Apresentação. Cad. Pagu, Campinas, ( 30), 2008 .

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s