Resenha: Os Flintstones e o preconceito na escola

Patrícia Carvalho

As relações interpessoais são perpassadas pelos estereótipos – crenças coletivamente compartilhadas acerca de algum atributo, característica ou traço psicológico, moral ou físico atribuído extensivamente a um agrupamento humano (Krüger, 2004). Estes se constituem um importante mediador entre a percepção dos indivíduos e os fatos sociais, visto que moldam e direcionam a primeira a aspectos específicos dos últimos, limitando-os, assim, ao seu escopo.

A compreensão de tal fenômeno justifica-se, então, por sua ampla interferência na estruturação das interações sociais, estando este, muitas vezes, atrelado a manifestações de preconceito – um julgamento negativo de um grupo e seus membros individuais (Myers, David. 2000) – e discriminação – comportamento manifesto que se exprime através da adoção de padrões de preferência em relação aos membros do próprio grupo e/ou de rejeição em relação aos membros dos grupos externos (Pereira, 2002).

Tânia Baibich, professora adjunta III do departamento de Teoria e Prática de Ensino do Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná, aborda em “Os Flintstones e o preconceito na escola” a temática do preconceito e sua negação.

O texto trás a problemática da comum negação da existência de preconceito atuando como perpetuadora dessa atitude. Por trás de um discurso politicamente correto de igualdade escondem-se as estatísticas de injustiça e desigualdade social, regional, de gênero etc. Fato que denuncia a incongruência gritante entre a realidade e o que dela é pregado.

A partir da aplicação de um questionário composto por questões abertas e fechadas em nove professores e um funcionário da secretaria de uma escola publica, a autora procurou avaliar a ocorrência e possível negação da existência de preconceito no ambiente da escola. Os resultados seguem a tendência de negação encontrada em outros contextos de socialização, apontando para uma deficiência estrutural da instituição escolar que compromete uma de suas principais finalidades: a formação de uma consciência crítica que não permita a aceitação pacifica (e conseqüente introjeção) de valores errôneos.

Baibich destaca algumas questões levantadas pelas entrevistas que caracterizam a existência do que chamou “varredura para debaixo do tapete” nas condutas dos sujeitos. Esses vão desde o “reconhecimento da existência do preconceito” até “o tratamento dispensado pela escola à questão do preconceito e de suas conseqüências” além da “observação do preconceito em si e/ou nos outros”.

Em todos os quesitos é marcante a presença de um discurso de negação referente ao próprio comportamento e denúncia de praticas preconceituosas por parte de outros. Fica, assim, clara a distância entre a realidade escolar daquilo que pretende-se a partir de uma educação igualitária: “uma escola que alicerce uma sociedade que nunca mais permita a barbárie”. Barbárie essa embasada numa idéia extremada de alteridade.

A concepção de alteridade, presente na base do comportamento preconceituoso, é percebida desde os tempos antigos e parece estar relacionada às diferenças culturais. Seja entre os índios sul-americanos ou entre os romanos, a percepção de um outro é marcante e assume importante papel nas dinâmicas intra e intercomunidades.

A questão central em tal discussão parece girar em torno da tênue linha entre uma a distinção equilibrada entre o ingroup e outgroup – imprescindível ao processo de formação da identidade – e seu extremismo. Seja nos atentados terroristas ou nos feitos nazistas a concepção de eu e de outro configura-se o cerne de um problema que envolve diversas instancias da sociedade: desde as instituições de ensino ate as políticas publicas e idéias veiculadas na mídia.

Referências
Baibich, T. Os Flintstones e o preconceito na escola. Educar, 19, 2, 111-129, 2002.
Krüger, Helmuth. Cognição, Estereótipos e preconceitos sociais. Em Marcos E. O. Lima e Marcos E. Pereira. Estereótipos, preconceitos e discriminação. Perspectivas teóricas e metodológicas. Salvador: EDUFBA, 2004.
Myers, David (2000). Psicologia Social. São Paulo: LTC.
Pereira, Marcos E. (2002). Psicologia Social dos estereótipos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s