Resenha: Significações e subjetividade em mulheres portadoras de transtornos alimentares

Maria Ivete Valadares dos Anjos

Matos, J e Almeida, L, no artigo Significação e subjetividade em mulheres portadoras de transtornos alimentares, contribuem, com suas análises e pesquisas, para o entendimento deste fenômeno, ainda pouco explorado, que atinge em maior grau as mulheres jovens.

È ressaltado no texto, dois componentes contraditórios no ocidente industrializado: cultua-se a “cultura do corpo” na qual o mito da magreza é associado ao sucesso, à beleza e a felicidade, enquanto que, em outro extremo, se contrapondo a esta diretriz, existe a presença de uma propaganda massiva, induzindo ao consumo de alimentos atrativos, calóricos e de pouco valor nutritivo.

Os fast foods se espalharam e se instalaram nas grandes metrópoles, provocando uma mudança nos hábitos alimentares, principalmente na população jovem, levando-a em direção a uma mudança relacionada com a aparência física, devido a um aumento considerável de peso e conseqüente obesidade.

Os autores sugerem que o transtorno alimentar é causado por multifatores: a pressão social associada à vulnerabilidade biológica ou psicológica (baixa auto-estima, traços obsessivos-compulsivos) e ainda o fator sócio-cultural, como responsáveis pelo aumento da incidência desses transtornos e pela gravidade das conseqüências.

Citam a realização de pesquisas relacionadas a cada um desses fatores:

– pesquisas baseadas em mecanismos fisiológicos, reveladoras da importância de um determinado nível de serotonina e noradrenalina (responsáveis pela sensação de prazer)
no organismo, como preponderantes para o equilíbrio fisiológico, visto que as pessoas portadoras destes distúrbios possuem estas substâncias muito abaixo do nível apresentado por indivíduos que não apresentam estes transtornos.

– pesquisas realizadas com gêmeos indicando a presença de componentes genéticos e hereditários.

-pesquisas centradas em fatores psicológicos e psiquiátricos, sugerindo que a baixa auto-estima, auto-avaliação negativa e a depressão pré-mórbida representam fatores de risco na apresentação desses sintomas.

-pesquisas que abordam os aspectos sócio-culturais, reforçam a importância desses fatores (sócio-culturais), visto que os grupos sociais mais atingidos ou mais vulneráveis encontram-se em paises ocidentais desenvolvidos, nas classes sociais mais altas, grupos de atrizes, modelos, bailarinos, nutricionistas e jockeys, adolescentes e jovens.

O texto alerta sobre a gravidade do problema e o aumento de sua incidência e cita três principais transtornos: o da compulsão alimentar periódica , que induz a obesidade, a anorexia e bulimia nervosa, que levam ao emagrecimento exagerado. Credita o aumento do interesse demonstrado pela sociedade e pela comunidade científica pelo tema, ao crescimento dessas patologias numa proporção que pode ser considerada alarmante. Também sugere que essa nova realidade provocou uma mudança na constituição subjetiva feminina.

Matos e Almeida utilizaram o referencial teórico-metodológico da Rede de Significações, fundamentado epistemologicamente pelo paradigma da complexidade e teoricamente pela perspectiva sócio-histórica do desenvolvimento humano, que entende a significação como a atividade mais fundamental do homem e como resultante das relações interpessoais (Smolka, 2004)

“A RedSig envolve uma concepção da pessoa que tanto se constitui e é determinada pelas relações que estabelece consigo mesma, com os diversos parceiros de interação e com os contextos, como também os constitui e pode modificá-los. Pessoa e meio se encontram, portanto, numa relação de interdependência, se constroem e são construídos, sendo ao mesmo tempo ativos e passivos nessas construções (Rossett i-Ferreira et.al. 2004).”

Os autores realizaram suas pesquisas entrevistando três mulheres portadoras desses sintomas. O resultado aponta para a importância dos fatores sócio-culturais. O anseio pelo atendimento aos padrões de beleza, que exige da mulher a manutenção de um corpo de aparência magra, gera uma insatisfação com o próprio corpo resultando numa relação conflituosa entre o corpo e o alimento. Este conflito leva a uma busca de soluções prejudiciais à saúde, como dietas de restrição alimentar baseadas em falsas crenças, de emagrecimento rápido.

“Vista como um reflexo de quem somos, ou seja, de nossas identidades, de nossos estilos de vida e de nossas competências,a aparência física tornou-se sinônimo de nosso valor pessoal (Hirschmann e Munter, 1991).”

Freud, em 1905, revelava o homem como um ser desejante, percebendo a presença de um componente psíquico – desejo de pertence. Essa forma de perceber o indivíduo faz-se corroborada por diversas teorias sociológicas, dentre as quais a RedSig, que entende que o homem se constrói relacionalmente e quer/busca, fazer parte.
Diante destas duas faces da mesma moeda, presentes na sociedade: uma, que desperta o desejo de estar inserido no padrão de beleza atual, associado a uma idéia de sucesso, que enaltece a silhueta magra e a outra, que desperta/direciona o ser em busca de vivenciar o prazer, através da satisfação de outro instinto, tão forte quanto o de pertence, o de sobrevivência por meio da alimentação, a mulher sucumbe.

Conclusão

O tema escolhido pelos autores é relevante, diante da sua complexidade e atualidade. Faz-se indispensável destacar os aspectos ligados ao prazer e a compulsividade presentes nos transtornos alimentares.
As mulheres, históricamente, representam a face submetida à realidade sócio-cultural pertinente a cada fase do processo histórico da humanidade. Ocuparam status de seres sem alma, sem inteligência , propriedades da família e/ou seus senhores, foram jogadas às fogueiras, como bruxas,quando ousavam revelar os seus saberes.
E, mesmo após adquirirmos o direito ao voto, ao trabalho, ao sexo por prazer, após o advento da pílula anticoncepcional e tantas conquistas oriundas do movimento feminista , continuamos reféns de padrões impostos pelo sistema mundial dominante.
Ditou-se um padrão de beleza, imposto pela mídia, inter-relacionado com fatores sócio-culturais, e nos tornamos frágeis perseguindo esta meta. E não percebemos que esta é uma meta externa. Sentimos culpa por não atingi-la, e carregamos um sentimento de fracasso e desleixo, assumindo o insucesso como pessoal e a ausência de força de vontade para atingir o objetivo.
E adoecemos, física e psicológicamente, gravemente, podendo inclusive alcançar um desfecho fatal, envolvendo a morte, perseguindo “o ideal de beleza”.
Concordo com os autores quando destacam a importância da realização de estudos e pesquisas relacionadas a esse tema, relacionadas aos aspectos subjetivos, com o objetivo de compreender e modificar o quadro grave que se delineia no mundo contemporâneo, no campo dos transtornos alimentares, dentro de uma perspectiva sócio-cultural-histórica.

Referência: Mattos, J. e Almeida, L.  Significações e subjetividade em mulheres portadoras de transtornos alimentares. Ciências & Cognição: 13, 5, 51-69, 2008, 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s