Estereótipos e gênero: mulheres jaca, filé e moranguinho:

Contribuição: Gilcimar Dantas & Daiana Nogueira

Estas mulheres são designadas por nomes de comidas, idealizando-as como meros objetos de consumo. A caracterização é extremamente esterotipada, visto que a mulher é exposta unicamente por meio de atributos físicos  e possíveis de desperatar o desejo do público masculino.  Crenças que corroboram com a visão acima citadas são conceituadas como primitivas, pois possuem alto nível consensual, baixo grau de racionalidade e muito pouco sujeitas a controversias.

5 comentários sobre “Estereótipos e gênero: mulheres jaca, filé e moranguinho:

  1. Na minha concepção nenhuma se parece com jaca, ou com morango e muito menos com filé. Creio que em termos de mulher, criam-se estas classificações como meros neologismo, a fim de internalisar a crença de que se gosta muito de mulher a ponto de te conferir estes atributos, que se analisados de forma racional, para nada serve… eles precisam ver a mulher inteiramente despida, mesmo quando vestidas. Ah! lamento muito,a miopia que eles portam só lhes possibilitam ver jaca, morango, filé e não verdadeiramente uma mulher.

  2. Mais uma temporada da série Mulheres Brasileira Prontas para Consumo. Já passamos por Tchans, Ninjas, Samambaias, frutas e vamos ver ainda mais modalidades. Depois, nos perguntamos de onde surge o estereotipo, tão comum no exterior, da brasileria caliente, que usa pouca roupa e faz 3 cirurgias plásticas por ano. Sigo com Ailton e Gabriel Pensador: Desculpa, amor, mas eu prefiro mulher de verdade.

  3. É um paradigma mundial. Por que será que os estrangeiros ficam “loucos” com as latino americanas? A mulher aprendeu a oferecer seus atributos físicos no “jogo” das relações desumanas. Vejam o carnaval, os feios (no conceito social), os deficientes físicos (que não se vê por que nós os escondemos), os BBB´s da globo…é o que se vê, o que a mídia insiste o que se deseja, mesmo não conhecendo, lamentável. Vivemos num mundo de extremos, gosto, não gosto, é feio, é bonito…e a maioria vai se encontrando nessas máscaras…e no final, quando o corpo padece, quem sabe uma possibilidade de finalmente ser, ou morrer sem entender a razão do existir.

  4. Bom, e o que dizer então desses tipos de designação que dão a mulher? Mas uma vez provar o quanto ainda somos primitivos a ponto de não vermos a mulher como igual, ela é apenas peito, bunda, ou silicone? E como poderemos quebrar a discriminação que é atribuída a mulher se a cada um passo que está consegue dar rumo a sua ‘libertação’, tem milhares para lembrá-la ao que esta se iguala: o mero objeto da satisfação masculina.

  5. Esse tipo de debate é extremamente importante. Chegamos a um ponto em que a representação da mulher como mero bem de consumo se tornou extremamente natural. Ela não só foi banalizada como, pior ainda, se tornou virtude. Hoje, mulheres-objeto como Tiazinhas, Carla Perez e afins são exemplo de mulheres de sucesso para muitas jovens. Isso é um absurdo. A mídia está promovendo o conceito de que a maior fonte de realização e inserção social de uma mulher é pela beleza. Não somos mais escravas dos nossos maridos, mas agora somos escravas de nossos corpos. Quanta evolução.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s