Primeiro de abril: sobre o mentir e o mentiroso

Quem ainda não se obrigou a perpetrar algumas mentiras, quando a situação assim o exigia ? E nessas circunstâncias, você se torna um mentiroso ? Provavelmente não, pois se todos cometem umas mentirinhas de quando em vez, ninguém se transforma em um mentiroso empedernido pelo simples fato de mentir.
Podemos afirmar que, com raríssimas exceções, todos mentem. Isto ocorre porque muitas circunstâncias da nossa vida cotidiana impõem que contemos algumas mentiras, sob pena de criar zonas de atrito perfeitamente dispensáveis na nossa vida social. Muitas mentiras encontram-se associadas ao domínio da polidez. Circunstâncias bastante comuns impõem a adoção de pequenas aleivosias, que tornam as rudezas do dia a dia menos ásperas. Uma tia que se apresenta toda satisfeita com a sua (horrenda) roupa nova, o jantar gelado servido na casa da sogra que você afirma estar numa temperatura absolutamente maravilhosa, a cerveja quente na casa do amigo que você afirma estar estupidamente gelada, o videotape das viagens de férias dos parentes que você confirma estar ansioso para assistir ou mesmo a insistência para que uma visita inconveniente permaneça um pouco mais quando se está morrendo de sono, todas essas situações costumeiramente levam à emissão de algumas mentiras nas quais a cortesia, a polidez e a civilidade parecem justificar o deslize moral.
Em outras circunstâncias as pessoas mentem por motivos sentimentais. Pais que evitam que os filhos tomem conhecimento de determinadas situações, filhos que desejam poupar os pais de dissabores previsíveis, esposos, noivos ou namorados que afirmam ou deixam de afirma certas coisas para o parceiro ou mesmo amigos que inibem a expressão de determinados comentários que poderiam magoar ao outro são situações que envolvem mentiras que se justificam por razões sentimentais.
Afora estes dois fatores, muitas mentiras socialmente justificáveis são expressas por pressões profissionais. Uma secretaria que é obrigada a afirmar que o chefe se encontra ausente, o médico e a enfermeira que se obrigam a contar mentiras por razões humanitárias e com o objetivo de trazer um pouco mais de conforto ao paciente, o político por pressões partidárias ou eleitorais ou o professor por razões pedagógicas – e às vezes não tão pedagógicas assim – , todas essas situações profissionais comportam com uma certa freqüência a possibilidade da emissão de algumas pequenas mentiras.
Ora, na medida em que assumimos que a mentira encontra-se sempre presente na vida social, temos que sustentar a hipótese de que somos relativamente hábeis na arte de detectá-las. Verdade ? As coisas não parecem ser tão simples assim. Em primeiro lugar, resultados empíricos sugerem que os humanos detectam a acurácia de um interlocutor em uma proporção um pouco acima do que seria esperado por acaso. E mesmo assim, a detecção da mentira oscila entre 35 a 40%, enquanto a da verdade entre 70 e 80%, sendo estes últimos valores apenas aparentemente altos, pois de modo geral os percebedores geralmente afirmam que o interlocutor está falando a verdade, o que justifica esses resultados tão disparatados.
Esses resultados pobres na identificação da acurácia não impedem as pessoas de acreditarem que são capazes de identificar a mentira. Isto é perfeitamente explicável, desde que admitamos que dispomos de uma série de indicadores que nos permitem determinar se alguém está mentindo. Alguns desses indicadores envolvem componentes gestuais, tais como a postura, o olhar, os gestos com as mãos e com o corpo; outros indicadores incluem elementos não-verbais da fala, tais como pausas, gagueira e hesitações; e, por fim, dispomos de indicadores verbais, tais como a extensão da fala, a coerência do argumento e a inclusão de informações irrelevantes.
Com um número tão grande de indicadores seria perfeitamente plausível supor que as mentiras poderiam ser facilmente detectáveis, o que, como assinalamos anteriormente, não é verdade. O que dificulta, então, a identificação da mentira ? Um primeiro aspecto que podemos considerar relaciona-se com os nossos limites cognitivos. Considerando a nossa avareza cognitiva, dificilmente conseguiríamos prestar a atenção, ao mesmo tempo, nos diversos indicadores que listamos anteriormente. A nossa capacidade de processar informações possui um limite e tal limite impede que detectemos todos os elementos gestuais, não-verbais e verbais que poderiam identificar a mentira. Ainda que tivéssemos uma capacidade ilimitada de processar todas as informações, o sucesso na identificação da mentira não teria muitas chances de sucesso, se considerarmos a tendência que temos em representar e confiar mais nas informações genéricas, uma vez que muitas vezes a mentira se encontra nos detalhes. Um outro aspecto que nos impede de identificar com mais precisão a mentira possui um caráter motivacional. Muitas vezes é preferível que não saibamos a verdade, o que pode gerar um fator de distorção que impede uma percepção acurada do que está acontecendo. Enfim, um outro fator que dificulta a identificação da mentira vincula-se diretamente com o que Gilbert denominou teoria espinoziana das crenças. Nesse caso, o argumento central é o de que tendemos inicialmente a acreditar em tudo o que nos dizem e que apenas ao final, após uma análise apropriada das implicações de todos os argumentos apresentados pelo nosso interlocutor, temos a possibilidade, quando o temos, de refutar aquilo que nos foi dito e inicialmente acreditamos.
Ainda assim, poderíamos supor que alguns atributos do percebedor possam contribuir na identificação da mentira. Um elemento bastante considerado pelo senso comum é o grau de intimidade entre que conta e quem ouve a mentira. A idéiam básica, nesse caso, é a de que se o grau de intimidade entre os dois for alto, o percebedor tenderá a identificar mais facilmente a mentira. A justificativa para tal encontra-se no entendimento de que o maior grau de conhecimento e proximidade forneceria ao percebedor um repertório de rotinas capaz de servir como parâmetro para julgar as ações do outro, o que sem dúvida facilitaria a identificação das situações em que o interlocutor estiver mentindo. Ao contrário dessa suposição, evidências empíricas parecem apontar para uma direção oposta, encaminhando-se no sentido de sugerir que a intimidade dificulta a identificação da mentira. Tais argumentos estão assentados em duas idéias básicas: a primeira delas, sustenta que o conhecimento e a familiaridade impõem uma percepção marcantemente enviesada do interlocutor, levando o percebedor a confiar muito mais no conhecimento prévio disponível sobre o seu interlocutor, o que poderia levar a uma interpretação distorcida das evidências presentes na situação; a segunda suposição envolve o problema do grau de confiança entre o percebedor e aquele que mente, sugerindo que quanto maior for o grau de confiança do percebedor no interlocutor , algo inerente à condição de intimidade, maior será a tendência a desconsiderar os indicadores de mentira.
E se o percebedor suspeitar que o seu interlocutor estiver mentindo, especialmente se ele for uma pessoa profissionalmente treinada na arte de identificar a mentira ? Estudos empíricos indicam que a suspeita pouco acrescenta no grau de acurácia da identificação da mentira, especialmente porque não é incomum que uma pessoa injustamente acusada de estar mentindo passe a apresentar padrões de comportamento bastante semelhante àquelas que estão mentindo. E o mais importante, o treino também parece contribuir muito pouco, a se considerar dados obtidos na literatura que sugerem que profissionais habilitados para lidar com situações que envolvem mentira, tais como procuradores, juízes, inspetores alfandegários ou policiais, não mostram uma performance acima da média de uma pessoa sem qualquer treina especial para a identificação da mentira. A única categoria profissional que obteve resultados acima da média foi a dos agentes secretos e, mesmo nesse caso, apenas quando avaliavam se uma única pessoa submetida a interrogatório estava mentindo naquela circunstância particular, sem que pudessem obter um resultado semelhante quando tinham que avaliar se várias pessoas estavam mentindo ou não.
Afora essas características do percebedor, podemos apontar alguns elementos característicos daquele que mente e que tem sido objeto de interesse dos estudos psicossociais sobre a mentira. Uma questão importante diz respeito à faixa etária de quem mente. Quem mente mais, adultos ou crianças ? As pessoas crêem que os adultos mentem mais, não só pela natureza mais complexa das situações em que estão envolvidos, como também porque dispõem de esquemas cognitivos mais sofisticados que os tornam mais habilitados a desenvolverem argumentos ficcionais plausíveis. Não que a criança seja vista como imune a mentiras. Apenas as mentiras infantis são vistas como qualitativamente diferentes daquelas contadas pelos adultos, sendo interpretadas prioritariamente como fantasias inocentes – ou não tão inocentes assim – construídas pela mente infantil.
Uma outra questão importante é a do gênero: quem mente mais, o homem ou a mulher ? Os indicadores que dispomos parecem indicar que não são encontradas diferenças significativas a respeito da quantidade de mentiras contadas por homens e mulheres. De uma forma compatível com o que seria previsto pela teoria da identidade social, temos evidências que os homens crêem – ou afirmam crer – que as mulheres mentem mais, enquanto as mulheres sustentam que os homens mentem mais.
Afora esta questão do gênero e da faixa etária, as pessoas não indicam uma diferença significativa na quantidade de mentiras contadas por aqueles a quem conhecem quando comparados com pessoas desconhecidas. Ainda assim, temos indicadores que elas tendem, nesse caso, a suspeitar mais das pessoas conhecidas que das pessoas desconhecidas.
Existiria, então, alguma forma de reduzir a incerteza numa situação em que suspeitamos que alguém está mentindo ? Algumas estratégias podem ajudar, embora nenhuma delas ofereça qualquer garantia de total acurácia. Uma delas é um tipo de estratégia que pode ser definida de interativa. Nesse caso, o percebedor acerca-se daquele a quem ele suspeita, conduzindo uma série de indagações, tentando identificar possíveis contradições na argumentação apresentada pelo suspeito. Essa estratégia é certamente invasiva e as conseqüências podem não ser exatamente as mais agradáveis para o percebedor.
Afora desta modalidade, dispomos de estratégias não-interativas, uma ativa e uma outra passiva. No caso da estratégia ativa o percebedor indaga a várias outras pessoas que conhecem o suspeito, investigando assuntos não diretamente relacionados com o assunto da mentira e com base nessas respostas procura inferir se essas pessoas a quem ele indagou sugerem que o suspeito costuma mentir. Este tipo de estratégia também pode ser considerada invasiva, com o agravante de expor de forma bastante ostensiva a pessoa que está conduzindo a investigação.
A estratégia passiva consiste em observar o suspeito interagir com outras pessoas e com base nas pistas e indícios que ele oferecer inferir em que medida ela pode estar mentindo e quais são os principais que permitem inferir quando e em que circunstâncias ele costuma mentir.
O que podemos concluir, então, sobre a mentira e o mentir ? Em primeiro lugar, não temos nenhuma razão fundamentada que nos permita suspeitar que uma pessoa que está mentindo se comporte de forma muito diferente daquela que está falando a verdade. Certamente esta afirmação deve ser cuidadosamente considerada, pois contar uma mentira exige uma maior ativação cognitiva, um maior desgaste emocional e um auto-monitoramento mais intenso, o que poderia diminuir as instâncias de controle consciente, permitindo o afloramento de muitos indicadores que acirrariam a suspeita sobre aquele que mente.
Uma segunda conclusão é que geralmente procuramos identificar quem está mentindo a partir da utilização de pistas inadequadas. Realizar inferências sobre se alguém está mentindo com base na análise da consistência lógica do suspeito poderia ser uma boa alternativa se as pessoas costumeiramente desenvolvessem de forma lógica os argumentos que sustentam, o que não parecer ser o caso a se considerar as inumeráveis heurísticas ou atalhos mentais utilizados cotidianamente. Um outro elemento que dificulta a identificação da mentira relaciona-se com o uso freqüente de pistas baseadas na categoria social a qual o suspeito pertence, o que favorece ao uso de estereótipos, julgando ao suspeito pela vinculação da categoria a qual ele pertence e não pelos seus atributos e qualidades individuais.
Uma terceira conclusão relaciona com a dificuldade em se obter feedbacks nas situações em que a mentira está presente. Raramente alguém nos indica se descobrimos a verdade ou não do que ele ou ela falou e esta falta de treino certamente intensifica a incerteza sobre se de fato detectamos se alguém falou ou não a verdade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s