Resenha: A imagem da enfermagem frente aos estereótipos – uma revisão bibliográfica

Vinicius Rodrigues Santin

Entre as diversas profissões da área da saúde, a Enfermagem se destaca por ser aquela que, no âmbito de suas diversas atribuições, se responsabiliza por prestar os cuidados mais básicos aos pacientes. É um trabalho essencialmente manual, sendo que ao longo de sua história foi exercido geralmente por mulheres, historicamente e culturalmente associadas ao cuidado materno. Desse modo, a profissão carrega consigo estereótipos intensamente ligados à questão de gênero. A partir disso, o artigo “A imagem da enfermagem frente aos estereótipos: uma revisão bibliográfica”, de Santos e Luchesi (2002) faz uma análise histórica muito interessante sobre como foi construída a representação atual das enfermeiras, fortemente relacionada com a representação da própria mulher e com a desvalorização com a qual o gênero feminino costuma conviver. Identificadas com a natureza e com seu poder de cura em períodos pré-patriarcais, a mulher se viu submetida a uma crença de que deveria ser dominada, juntamente com a natureza, para que o pensamento racional científico – e masculino – desvendasse os seus segredos. As autoras colocam a doença como fazendo parte desta natureza misteriosa e submetida à dominação do homem, mais especificamente do médico. Assim, o “poder da cura”, o papel de dominador do corpo humano era atribuído ao homem, ao médico, ficando sob a responsabilidade das enfermeiras o cuidado, a higiene, o toque no corpo do doente. Elas utilizam uma citação de Badinter (1986) que afirma muitas mulheres terem sido consideradas feiticeiras e queimadas durante a Idade Média, pelo simples fato de praticarem as funções curativas conferidas ao gênero masculino. Em sequência, citando Paixão (1979), o período da Reforma Protestante foi colocado como um período crítico na história da Enfermagem em muitos países em decorrência da expulsão das enfermeiras religiosas que atuavam nos hospitais, que acabaram por ser substituídas por mulheres com menos preparo e definidas pelo autor da citação – de forma um tanto preconceituosa – como de “duvidosa moralidade”, que seriam as analfabetas, bêbadas e imorais. Essas mulheres trabalharam com grande jornada e péssimas condições, e deixavam os pacientes abandonados de forma que muitos optavam por receber cuidados de familiares em casa. O texto pontua ainda uma diferença em relação ao preconceito sofrido pela enfermagem no que se refere à remuneração ou não de quem a exerce, de forma que, segundo Pinheiro (1962), em sua época, a Enfermagem voluntária era vista como sublime quando praticada por religiosas voluntárias e, em contrapartida, era vista como um trabalho servil quando referente às enfermeiras remuneradas. Nesse ponto, é possível fazer uma relação com os estereótipos machistas da mulher santa – a mãe, a esposa recatada – e da prostituta – mulher da rua, libertina -, materializados nas enfermeiras que, ao mesmo tempo que exercem uma função de cuidado altamente associável à função materna, estão entre as profissionais mais sexualizadas no imaginário masculino. Independentemente de o trabalho das enfermeiras ser visto como servil ou como sublime, o estereótipo de submissão aos médicos se mantém. tendo sido consolidado inclusive por Florence Nightingale, enfermeira britânica pioneira no tratamento de feridos de guerra, ao afirmar que a enfermeira deve ser treinada para “agir da melhor forma na execução de ordens” e executar as atividades “em estreita obediência ao poder e conhecimento dos físicos e cirurgiões”, de acordo com citação que as autoras atribuem a Smith (1982). Santos e Luchesi pontuam ainda a existência de estereótipos que relacionam as enfermeiras a um trabalho de mão-de-obra barata, e fazem uma crítica à mídia, colocando-a como uma “grande rival da divulgação do verdadeiro exercício da profissão” ao divulgar a imagem das enfermeiras como símbolo sexual e como profissionais de nível social inferior, afirmando a existência de falta de ética em prol da obtenção de maiores lucros. Deve-se levar em consideração que a mesma mídia que deturpa a imagem da profissão pode ser utilizada em seu benefício, desde que as profissionais se posicionem de forma atuante para isso.

Referência: Santos, C. e Luchesi, L. A imagem das enfermeiras frente aos estereótipos: uma revisão bibliográfica.Proceedings of the Brazilian Nursing Communication Symposium, 2002, São Paulo, Brasil.

Um comentário sobre “Resenha: A imagem da enfermagem frente aos estereótipos – uma revisão bibliográfica

  1. Eu só completo dizendo que até hoje a classe da Enfermagem permanece na profunda desvalorização chegando muitas vezes ao absurdo se comparado com outras classes.E como citado no texto em questão no trecho sobre a reforma protestante,digo que até os dias atuais vivemos em precárias condições de trabalho,desde a baixa remuneração e altas cargas de trabalho,até a precariedade do ambiente de trabalho onde não oferece segurança alguma para os profissionais e pacientes.E ainda por cima vivemos a mercê de médicos que se acham superiores e alguns nos vêem como símbolo sexual.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s