Resenha: metodologia para análise de estereótipos em filmes históricos

chamada

Vanessa Kelly dos Santos Carvalho

Langer inicia o artigo, com o tópico “História e Imagem”, no qual exalta a importância da imagem no contexto atual e a partir dessa constatação, justifica a necessidade que acadêmicos e profissionais têm de saber interpretar signos visuais. Como um veículo de transmissão de imagens, o autor dá destaque ao cinema, foco de seu estudo que ele propõe como uma ferramenta de pesquisas, em especial para historiadores.
De acordo com o autor, a imagem visual se constitui por narrativas que tanto receptor quanto emissor, interpretam como representações fiéis da realidade, mas que são estruturadas pela cultura. Partindo dessa noção, Langer introduz o conceito de schemata, tendo como referência o historiador da arte Grombrich, que com este termo estaria se referindo a padrões culturais de fundo de inconsciente, que influenciariam o trabalho dos artistas. O autor apresenta como possível ilustração, aquilo que ocorre com a fotografia, através da qual não é possível captar a realidade neutra, embora se trate de uma representação muito semelhante. Apesar dessa argumentação se mostrar válida, não fica evidenciado de que modo se poderia comprovar a existência da schemata, enquanto estrutura de conteúdos culturais padronizados. Em seu lugar, talvez se pudesse falar no conceito de esquema que de acordo com Fiske e Taylor (apud Krüger, 2004) seriam estruturas mentais constituídas por conhecimentos e expectativas em relação ao mundo.
Langer apresenta a definição de estereótipos, a partir do também historiador Elias Thomé Saliba, como tipos específicos de schemata que se constituem em representações da realidade social ou histórica tomadas como verdadeiras, mas que seriam quase sempre fantasias ou produtos da imaginação. Essa definição parece desconsiderar a questão das relações intergrupais na formação dos estereótipos ao tratá-los como “produtos da imaginação”, remetendo-os a condição de formação individual. Um aspecto básico a se destacar, é que os estereótipos vêm de crenças compartilhadas coletivamente embora sua aplicação seja individual. Além disso, também não foi lembrado que se trata de um mecanismo de identificação dos grupos com seus membros e que os distingue de outros. Talvez uma definição mais completa de estereótipo possa ser dada por Krüeger (2004): “crença coletivamente compartilhada acerca de algum atributo, característica ou traço psicológico, moral ou físico atribuído extensivamente a um agrupamento humano, formado mediante a aplicação de um ou mais critérios”. (p. 36). Krüeger também aponta que estes podem ser positivos ou negativos, voltados para o grupo de pertencimento ou grupo distinto.

É relevante o destaque que Langer atribui ao cinema enquanto meio de divulgação e desenvolvimento dos estereótipos, considerando a força das imagens na veiculação de informações. Entretanto, é questionável apresentar o cinema como uma espécie de etapa final de um processo evolutivo dos veículos de comunicação. O autor traça um esquema no qual os estereótipos teriam se apresentado inicialmente nas artes plásticas, passando para a literatura e histórias em quadrinhos, tomando uma forma definitiva com o cinema. Com relação a essa assertiva, é válido lembrar que a construção dos estereótipos é um processo contínuo que pode ser alterado por diversas variáveis de modo a não ser concebível a idéia de que este chegue a um estado estático e definitivo. Além disso, a influência das fontes de veiculação dos estereótipos pode variar em intensidade também devido a características individuais, e esta intensidade não implica na anulação de outras fontes.
Seguindo a proposta do artigo, Langer enfatiza os estereótipos aplicados a diferentes momentos históricos, ressaltando contribuição do cinema para a divulgação destes.
O segundo tópico é intitulado por “A Imagem Fílmica”. Neste, o autor aponta a partir do historiador Marc Ferro, que o filme deve ser percebido como fonte de imaginação que precisa ser integrado ao contexto social de sua produção. Ele faz essa afirmação numa contraposição às obras escritas, no entanto, também não se pode dizer que estas façam retratos fiéis da realidade, destituídos de estereótipos.
No tópico “Modelo de análise de estereótipos em filmes históricos”, o autor define como filmes históricos e, portanto como objeto de pesquisa, aqueles filmes que contém em sua estrutura narrativa, alguns conteúdos relacionados diretamente à fatos históricos, classificando-os em: obras de reconstrução histórica, biografias, ficção histórica e adaptações literárias com fundo histórico. É importante considerar que toda produção humana tem relação com o contexto histórico no qual se insere. O que parece, a partir dos títulos que lhe serviram de exemplo, é que o autor adotou como característica de relação a fatos históricos, o distanciamento temporal e cultural em relação ao contexto presente.
Langer propõe cinco etapas para análise de estereótipos em filmes históricos: definição do objeto e tema de pesquisa, seleção do filme, crítica externa do filme, crítica interna do filme e comparação e análise de conteúdos. Na primeira etapa é sugerido ao pesquisador que inicialmente escolha o tema, período e contexto histórico que vai ser trabalhado e que detenha de conhecimento bibliográfico sobre o assunto pretendido. É necessário que se busque ao máximo essas condições, no entanto é valido lembrar que o pesquisador nunca vai estar totalmente imune a atribuição de estereótipos. A segunda etapa seria de seleção de obras, na qual se deveriam privilegiar conteúdos temáticos, valor estético, artístico e comercial.
As duas etapas que se seguem são denominadas pelo autor como “critica interna e externa” do filme. Essas denominações são questionáveis, pois ambas referem-se a análise de aspectos sobre o filme. A diferença é que na “crítica externa” o foco se voltaria mais para a produção em si, custos, estilo do filme, fotografia, biografia dos produtores, diretores e roteiristas e publicidade, questões que não se pode supor estar à parte do filme. Já quanto a “crítica interna” a análise teria foco no conteúdo do enredo.
Langer classifica tipos de conteúdo em: objetivo, implícito e inconsciente. O primeiro seria aquele percebido de forma direta por diálogos, figurino, gestos, enredo, arquitetura e cenários. A análise desse conteúdo poderia ser feita, segundo sugestão do autor, por meio de observação do roteiro original e críticas de especialistas do campo cinematográfico. Por sua vez, “conteúdo implícito” diria respeito aquilo que os cineastas gostariam de transmitir como mensagem, mas não o fazem de forma direta. O autor procura exemplificar esse aspecto por meio do filme Invasores de Corpos, não qual seria feita uma alusão ao medo do comunismo, utilizando a imagem de extraterrestres que transformam humanos em zumbis. É fato que as produções cinematográficas muitas vezes carregam conteúdos que por alguma razão não são apresentados explicitamente e que representam opiniões dos cineastas ou informações que se quer divulgar. No entanto, com relação ao exemplo utilizado não fica claro de que modo e através de que fontes o autor chegou a esta constatação. Langer complementa que mesmo produções de alto custo também não fogem as influências de ideologias implícitas e nem há justificativa pela qual fugiriam à regra. O autor acaba incorrendo em atribuição de estereotipização ao analisar que personagens do filme El Cid demonstravam atitudes nazistas, as quais definiu como “gestos e expressões inferindo conquista do mundo”. Se mostra válida sua argumentação de que embora o filme possa se situar em momentos passados, trás informações ligadas ao contexto de sua realização.
Ainda com relação aos “conteúdos implícitos” o autor ressalta outros aspectos a serem observados nos filmes: modelos de representações ideológicas, modelos históricos e patrióticos, público-alvo e receptividade e estereótipos. Sobre “modelos de representações ideológicas” e “modelos históricos e patrióticos”, o autor se refere a tentativa de utilizar o enredo para apresentar certas ideologias como padrões a serem seguidos e para glorificar personagens históricos e seus países de origem.
A respeito do “público-alvo e receptividade” o autor lembra as situações nas quais os filmes fazem mais sucesso em outros países que no próprio local de origem. Langer tenta encontrar uma explicação para tal, podendo-se destacar a aversão das sociedades em verem retratadas suas próprias fragilidades. Essa é uma das possibilidades, mas muitas outras explicações podem existir além das apresentadas pelo autor, a depender de cada contexto.
Sobre a ocorrência de estereótipos, Langer aponta que pode se dar devido a questões ideológicas ou por motivos técnicos. Como exemplos, ele cita os filmes Gladiador e A Lenda de um Guerreiro, cujos figurinos poderiam ter sido elaborados da forma apresentada por uma questão de re-utilização de outros mais antigos, o que é pouco provável. Ele complementa afirmando que nestas produções soldados romanos são apresentados bem reconstruídos enquanto os germanos são estereotipados. Primeiramente, é válido lembrar que o uso de estereótipos é inevitável em produções cinematográficas, e mesmo que fosse possível fazê-lo inviabilizaria o entendimento do público. No caso dos filmes citados, poderia ter ocorrido maior uso de rótulos para um grupo, não significando que o outro fosse apresentado conforme a realidade pura. Neste ponto, o autor pareceu se ater mais aos estereótipos do tipo negativo, o que é confirmado pelos seus exemplos de alvos de estereótipos conforme observados em filmes norte-americanos e europeus sobre África, Ásia e América Latina.
Por fim, Langer define como “conteúdos inconscientes”, aqueles que ultrapassariam as intenções dos cineastas, podendo ser de ordem individual ou coletiva. Sobre esses conteúdos, o autor trás como ilustração os comportamentos tipicamente ocidentais que aparecem em muitos filmes, mas não apresenta como garantir a não-intencionalidade ou mesmo que se trata de algo não percebido de forma “consciente” pelos idealizadores das obras.
A última etapa sugerida por Langer para análise de estereótipos nos filmes históricos é de “comparação e análise de conteúdos”. Nesta fase, o pesquisador deveria comparar os conteúdos com o conhecimento histórico e sociológico que se tem na sociedade na qual foi feita a produção, com o tema retratado e outras produções seguindo a mesma temática.
O autor finaliza o artigo ressaltando o reconhecimento do filme como um documento histórico que precisa ser observado a luz do contexto de sua produção e analisado de forma crítica, tentando desconstruir estereótipos.

Referência: Langer, J. Metodologia para análises de estereótipos em filmes históricos. Revista História Hoje, 2, 5, Nov-2004.

2 comentários sobre “Resenha: metodologia para análise de estereótipos em filmes históricos

  1. Estabelece-se obvio que as imagens geral processamento de informações. Desta forma, muitos objetos são estereotipados. Pois nas relações interpessoais envolve objetos sociais, entre outros. Culminando em esquemas cognitivos. Além de sua abordagem metodológica ser delicada para mensura esses fenômenos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s