Resenha: Valores psicossociais e orientação à dominância social: um estudo acerca do preconceito.

Jaime Naupuile Dala

O artigo de autoria de Sheyla Fernandes; Joseli da Costa; Leoncio Camino e Roberto Mendoza, tem por objetivo explorar as relações existentes entre o preconceito, através da orientação à dominância social, e os valores psicossociais, a partir de quatro sistemas: o religioso, o materialista e o pós materialista e o hedonista.
O preconceito e as áreas afins têm sido estudos em psicologia social quase desde que o campo começou, por causa da forte influencia que exercem sobre o comportamento dos indivíduos. O preconceito é estudado de várias formas como étnico, racial, de género, dentre outros, e fazem parte de processos mais amplos e se manifestam também de várias formas. É importante assinar que os preconceitos se perpetuam devidos os processos relativos às lutas sociais pelo poder onde se utiliza a avaliação negativa contra outras pessoas ou grupos sociais. Os autores entendem o preconceito, como um sentimento de antipatia que tem base numa generalização errada e inflexível, podendo ser só sentido ou abertamente expresso, e que pode ser dirigido a um grupo como um todo ou a um individuo por ser membro de tal grupo. São comportamentos distorcidos e negativos associados a crenças, assimiladas através de processos de socialização com objetivos pré-determinados, de desqualificar e discriminar membros pertencentes a grupos externos. Partindo de uma visão dialética, os autores consideram que os preconceitos se desenvolvem no interior dos processos de exclusão social e se modificam junto com estes, podendo ser definidos como uma forma de relação intergrupal onde, no quadro das relações de dominação entre grupos, desenvolvem-se e expressam-se atitudes negativas e depreciatórias, bem como comportamentos hostis e discriminatórios em relação a membros de um grupo pelo fato de pertencerem a esse grupo.
Para justificar como o processo de exclusão se desenvolve e se institucionaliza, e a forma como as classes sociais se posicionam nas sociedades, seus autores buscam a teoria da dominância social (Pratto, Sidanius, Stalworth & Malle, 1994; Sidanius & Pratto, 1999), elaborada na década de 1990, que visa fazer uma intercessão entre os aspectos individuais, cognitivos, de personalidade e os aspectos sociais pertencentes à natureza do preconceito, com o objetivo central de oferecer uma visão holística sobre o desenvolvimento dos sistemas de desigualdades sociais e da manutenção desses sistemas nas sociedades. Essa teoria enfatiza que todas as sociedades humanas tendem a se estruturar em sistemas de grupos baseados em hierarquias sociais, consistindo em um pequeno número de grupos dominantes e hegemônicos no topo da pirâmide social e grupos subordinados na parte inferior. Esses sistemas de hierarquias grupais são muito difíceis de se modificar, possuem um alto grau de estabilidade, embora existam sistemas paralelos que lutem contra as hierarquias sociais e que, em alguns casos, observam-se algumas mudanças no sentido de moderar as desigualdades sociais. Entretanto, apesar dos princípios democráticos e as normas das organizações internacionais que apelam as sociedades para adoção de leis que visam a dissolução ou moderação das desigualdades sociais entre seres humanos, essas normas não se relevam bem-sucedidas, pelo contrário o que está a modificar são as formas pelas quais as pessoas expressam o preconceito, de maneira mais subjetiva e sutil.
Tal como observado pelos autores o preconceito não atua sozinho, uma série de variáveis aparecem interligadas com provável direcionamento à dominância social ou igualdade social onde os valores sociais como princípios guias de comportamentos dos indivíduos. Rokeach (1968, 1973), surgem como um dos primeiros autores a estudar esse tema, e apresenta valores como crenças que o individuo possui sobre as formas de comportamento ou os estados finais de existência que são preferíveis numa dada situação, quando comparados com outras possíveis formas de comportamento ou estados finais de existência. Este conceito remete-nos a existência de um sistema funcional ou hierarquia de valores individuais devidamente organizados em função de continuo de importância, orientam as atitudes e comportamentos dos indivíduos para satisfação das diversas necessidades ou motivações. Schwartz (1996) como impulsionador das pesquisas sobre valores, define-os como concepções que o individuo possui sobre o desejável, concepções que por serem transituacionais, guiam a forma como os atores sociais selecionam seu comportamento, avaliam pessoas e explicam suas ações, na buca do desejável. Schwartz analisa os valores com base nos dez construtos motivacionais de segunda ordem (poder, realização, hedonismo, estimulação, autodermição, universalismo, benevolência, tradição, conformidade e segurança) e quatro construtos motivacionais da primeira ordem, (abertura à mudança, conservação, autotranscendência e autopromoção), que estabelecem relações de compatibilidade quando situados próximos e relações de conflito quando estão situados distantes. Esses valores respondem a três necessidades básicas e universais na natureza humana: biológicas de sobrevivência dos grupos e interação social estável.
Considerando que as sociedades incitam a competir para sobreviver, Inglehart (1977), numa perspectiva sociológica analisou as mudanças ocorridas nas condições de produção de algumas sociedades europeias, e constatou que essas mudanças eram acompanhadas por uma modificação na hierarquia dos valores dessas sociedades. Do mesmo modo, as mudanças culturais, indicadas pela criação de novos valores acompanhavam igualmente, as modificações nas condições de produção dessas sociedades. Denominou esse processo de feedback económico-cultural, por nele se emergirem dois conjuntos de valores como seus indicadores: valores materialistas e valores pós-materialistas. Os estudos têm demostrado que os valores materialistas representados por lucro, riqueza, status e autoridade, estão diretamente relacionados à ideia de dominância social. Por outro lado os valores pós-materialistas, (liberdade de expressão, sociedade menos impessoal, maior influência da opinião pessoal sobre o governo etc) ou seja realização profissional, responsabilidade, competência e dedicação ao trabalho, se opõem à noção de dominância. Segundo esse autor as condições de produção no começo do capitalismo deram primazia a construção dos valores materialistas e a prioridade dada a esses valores, facilitou o desenvolvimento do capitalismo nas sociedades industriais.
Na pesquisa o objetivo central foi avaliar as relações entre as dimensões de valores psicossociais e os níveis individuais de predisposição ao preconceito numa amostra composta por 205 participantes, sendo 77,6% de mulheres e 22,4% de homens, com idade variando entre 16 e 30 anos. Estudantes universitários da cidade de João Pessoa capital do estado do Paraíba situado no nordeste brasileiro.
Método, no momento de coleta de dados, os sujeitos foram escolhidos em função da sua presença nas salas de aula. Assim, para coleta de dados, além de questões sócio-demográficas, dois instrumentos foram utilizados: (1) a escala de orientação à dominância social (Sidanius & Pratto, 1999), destinada a avaliar níveis individuais de orientação à dominância social e (2) o questionário de valores psicossociais (QVP-24), este instrumento foi abundantemente aplicado a amostras de estudantes universitários e se mostrou apto a analisar os valores psicossociais (Lima, 1997; Pereira & Camino, 1999).
Resultados, para verificar a estruturação dos sistemas de valores psicossociais foi realizado um escalonamento multidimensional (Multidimensional Scaling – MDS), técnica capaz de produzir, através de distâncias euclidianas, uma interpretação da variáveis em termos de agrupamentos. Para analisar a escala de orientação à dominância social foi realizada uma analise fatorial dos componentes principais com rotação varimax.
Analisar as relações existentes entre os valores psicossociais e o preconceito, em função de quatro indicadores (os sistemas de valores religioso, pós-materialista, hedonista e materialista) e o preconceito a partir da orientação à dominância social, foi o motivo central da presente pesquisa. Para tal, os resultados indicam que todos os sistemas de valores se apresentaram importantes para a construção de uma sociedade ideal. No que tange a dominância social foi fortemente rejeitada pelos participantes do estudo. A investigação sobre as relações existentes entre valores e preconceitos, foi encontrado pelos autores, que os valores materialistas explicam a orientação à dominância social, variável indicadora de favorabilidade às hierarquias grupais ou preconceito e possui relação com valores psicossociais, enquanto os valores pós-materialistas inversamente explicam a orientação a dominância social, ou seja rejeitam grupos dominantes que praticam a exclusão social, pois que os valores pós-materialistas avaliam a importância do bem-estar social, da realização profissional e do bem-estar individual.
O estudo mostrou-se importante no presente momento em que as pessoas buscam por todos os meios normas de justiça social e de igualdade de oportunidades para todos os seres humanos independentemente da sua raça ou género. O estudo trouxe a tona várias contribuições para explicar o fenómeno de exclusão social, marginalização e discriminação através da prática de preconceito um mal consubstanciado no pré-julgamento, aprendido principalmente nos ambientes familiares, prevalecentes em várias sociedades. Apesar da pesquisa ser clara e consistente e objetiva, deixou duas pontuações pertinentes: a primeira relaciona-se às formas modernas de expressão das emoções negativas frente os grupos minoritários, as chamadas formas sutis e veladas de preconceito e a segunda indica que os valores considerados importantes para uma sociedade adequadamente justa seguem o mesmo padrão imposto pelas ideologias politicas elaboradas socialmente. Finalmente os autores aludem que a esfera psicossociológica se apresenta intrinsecamente complexa e em constante mudança, para tal aconselham mais estudos, inclusive consideram que o presente estudo foi limitado por ter sido realizado com uma amostra homogênea. É o artigo que vale apena ser lido.
Referência: Fernandes, S., Costa, J., Camino, L., & Mendoza R. Valores psicossociais e orientação à dominância social: um estudo acerca do preconceito. Psicologia: reflexão e crítica, 03, 20, 490 – 498, 2007.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s