Resenha: representação social de crianças acerca do velho e do envelhecimento.

Sidinéa Muniz de Freitas

A velhice é significada de maneira diferente durante o decorrer da história. Percebe-se a transição de características relacionadas com a fase da velhice; anteriormente eram conceituadas como pessoas que emanavam respeito, eram anciãos. Na contemporaneidade essa adjetivação foi reformulada para um termo um pouco mais brando, mais jovial… pessoa com certa idade, idade avançada. Observa-se que em muitos casos esses indivíduos acabam sendo tão massacrados pelos informes midiáticos imperantes que acabam internalizado e consequentemente externalizando um desejo quase insano de adquirir uma gota de juventude que vivera em outra época, negando assim outra fase da vida para de certa forma serem valorizados e percebidos pela sociedade.
No artigo “Representação social das crianças acerca do velho e do envelhecimento”, Lopes e Park destacam que Featherstone (1998) aponta para uma desconstrução da categoria velhice igualando velhos e adultos jovens. Dessa forma ocorre na contemporaneidade uma revisão dos estereótipos relacionados à velhice. Essa representação do ser em suas diferenciadas fases de vida social estão também inseridas no contexto infantil, dessa forma a criança consegue apreender as informações do mundo que a cerca, englobando toda a estruturação nele existente. Essa afirmação pode ser confirmada de acordo com o que mencionam as autoras ao promoverem uma conversa com um grupo de crianças acerca da velhice e de como estas a definiam. Ora, ao definir o que seria uma pessoa velha, a maioria das crianças mencionaram características físicas como cor do cabelo ( branco) e rugas no rosto. No entanto algumas crianças maiores citaram doenças e limitações, espaços ( circulando por praças,festas públicas) e até a morte como principais elementos que as ajudam a definir o que seriam as pessoas velhas.
Percebe-se ao se fazer uma releitura sobre o artigo que as autoras consegue transmitir com clareza, coesão e objetividade que o corpo e também a aparência física são os principais meios pelo qual os indivíduos sejam estes adultos ou crianças utilizam-se para um reconhecimento acerca de qual contexto estão inseridos. No entanto observa-se no decorrer dos parágrafos escritos que independentemente da faixa etária que o indivíduo se encontre a passagem do tempo será sempre o ponto de partida para que os seres possam realizar um mútuo reconhecimento.

Referência:  LOPES, Ewellyne Suely de Lima; PARK, Margareth Brandini. Representação social das crianças acerca do velho e do envelhecimento., Estudos de Psicologia 2007,12(2), 141-148.
Disponível em: <http:WWW.scielo.br/pdf/epsici/v12n2/a06v12n2.pdf>

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s