Apresentação

Todos temos uma biografia. Não duvidamos do nosso nome e temos certeza quando e onde nascemos. Acreditamos saber bastante sobre os nossos gostos, assim como imaginamos estar a par dos impulsos que nos dominam. Damos tudo isso por assegurado, pois raramente duvidamos da nossa identidade pessoal. Dificilmente chegamos a reconhecer que aquilo em que acreditamos não passa de convicção. O que nos define, afinal, são as crenças que acolhemos sobre nós mesmos, sobre as outras pessoas e sobre o mundo em que vivemos.

Em algumas circunstâncias, entretanto, chegamos a colocar em dúvida algumas coisas em que insistimos em acreditar; em outros momentos, deixamos de valorizar algumas coisas e passamos a valorizar outras. Estas mudanças nas crenças, no entanto, não são exatamente comuns, pois as crenças raramente ocorrem de maneira isolada. Duvidar de algo muitas vezes significa deixar de acreditar em muitas outras coisas, pois usualmente as nossas crenças estão associadas com outras a elas relacionadas.

Se as nossas crenças estão organizadas sob a forma de sistemas, parece lícito supor que se uma pessoa acolhe um determinado sistema de crenças, este sistema pode influenciar ou mesmo determinar a maneira pela qual ela interpreta a realidade em que vive.

A expansão de uma epidemia exerce um efeito poderoso não apenas na vida cotidiana das pessoas, seja pelo temor de ser contaminado pelo vírus, seja pelo isolamento requerido para evitar o contágio. Isoladas ou amedrontadas, as pessoas ganham a oportunidade de pensar sobre as vicissitudes da vida humana e, como não poderia deixar de ser, avaliar as ações conduzidas pelas instituições responsáveis pela resposta a esta situação extrema.

O presente projeto de pesquisa é dedicado ao estudo do impacto da pandemia de 2020 nos nossos sistemas de crenças, na confiança que depositamos nas instituições sociais e nas relações entre os sistemas de crenças e a confiança nas instituições.

Voltar ao projeto de pesquisa

Blog no WordPress.com.
%d blogueiros gostam disto: